Navigation

Saiba as próximas etapas para a distribuição da vacina da Pfizer/BioNTech

Pfizer e BioNTech se associaram em março para desenvolver uma vacina contra a covid-19 afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 20. novembro 2020 - 19:22
(AFP)

Depois que a aliança entre a empresa americana Pfizer e a alemã BioNTech anunciou nesta sexta-feira (20) o pedido de autorização de sua vacina contra a covid-19 nos Estados Unidos, estas são as próximas etapas em seu caminho rumo à comercialização.

- A avaliação -

A agência de medicamentos dos Estados Unidos, a FDA, vai avaliar os resultados do ensaio clínico em que Pfizer/BioNTech baseou sua solicitação, com foco em duas questões centrais: a eficácia de 95% da vacina, de acordo com as duas empresas, e sua segurança, confirmada por dois meses de acompanhamento após a segunda dose para metade dos participantes.

O diretor da FDA, Stephen Hahn, se comprometeu a convocar uma reunião pública do comitê consultivo da agência. Esse grupo é formado por especialistas em doenças infecciosas e pediátricas, bioestatísticos e representantes dos consumidores e da indústria.

No entanto, sua opinião não será levada em consideração. A decisão de autorizar ou não a vacina será tomada pelos cientistas da FDA.

- Possível autorização em dezembro -

A FDA concederá provavelmente o que chama de "uma autorização de uso emergencial" a partir da primeira quinzena de dezembro, segundo Moncef Slaoui, encarregado científico da operação "Warp Speed", impulsionada pelo presidente Donald Trump para vacinar os americanos.

É uma autorização condicional em meio à emergência sanitária e que certamente restringirá o uso da vacina a determinados grupos da população. As crianças não farão parte deles, já que a Pfizer ainda não aprovou a vacina em grande escala para menores de 18 anos.

Outro organismo, os Centros para o Controle e Prevenção de Doenças (CDC), terá que determinar a ordem de prioridade para a vacinação. Os profissionais da saúde e residentes em lares de idosos provavelmente serão os primeiros a receber a vacina.

Na União Europeia, no Reino Unido, no Canadá, no Japão e na Austrália, o processo é um pouco diferente: os reguladores analisam continuamente há meses os dados transmitidos pelos ensaios realizados por vários fabricantes.

Se tudo correr bem, a Agência Europeia dos Medicamentos (EMA) poderá dar uma opinião formal "a partir da segunda metade de dezembro", segundo a presidente da Comissão, Ursula von der Leyen.

- Distribuição no final de dezembro -

As doses da vacina da Pfizer e BioNtech estarão prontas para serem enviadas "horas" após a autorização, informaram as empresas, que planejam começar a distribuição na segunda quinzena de dezembro. Sairão da fábrica americana de Kalamazoo (Michigan) e da belga de Puurs.

A vacina deve ser transportada a -70 ºC, uma temperatura extremamente inferior à dos contêineres convencionais. A Pfizer enviará suas doses aos centros de vacinação em caixas cheias de gelo seco, que manterão essa temperatura durante 15 dias.

- Próximas vacinas no início de 2021 -

Após a vacina da Pfizer e BioNTech, a do laboratório americano Moderna poderia ser autorizada e distribuída em breve.

Os reguladores avaliarão os resultados dos ensaios da Johnson & Johnson, provavelmente em janeiro, depois da Moncef Slaoui e da aliança entre AstraZeneca e Oxford.

As primeiras campanhas de vacinação de dezembro serão voltadas primeiramente para os americanos com maior risco de contrair a covid-19. No entanto, com várias vacinas autorizadas, o governo espera ter doses suficientes em abril de 2021 para ampliar seu uso ao restante da população.

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.