Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, é visto em 22 de junho de 2015

(afp_tickers)

O presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, advertiu nesta terça-feira que se a guerrilha das Farc romper sua trégua unilateral - iniciada em 20 de julho - "será difícil reorganizar o processo" de paz que se desenvolve em Havana desde 2012.

"Penso que se o cessar-fogo for rompido novamente será difícil reorganizar o processo" de paz com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), disse Santos sobre a trégua unilateral decretada pela guerrilha para favorecer as negociações.

"Espero que os ataques que observamos nos últimos meses, nas últimas semanas, contra oleodutos e infraestrutura energética sejam os últimos ataques deste tipo (...). Não posso garantir que isto não vá se repetir, mas estou otimista", disse Santos.

As Farc iniciaram no dia 20 de julho uma trégua unilateral na Colômbia para favorecer as negociações de paz que visam acabar com um conflito armado interno de mais de meio século.

Esta trégua das Farc, principal grupo guerrilheiro do país, foi declarada após o recrudescimento da violência nos últimos dois meses, depois da suspensão - em 22 de maio - do cessar-fogo unilateral anterior decretado pela guerrilha.

Em resposta a esta nova trégua, Santos anunciou, no final de semana passado, a suspensão dos bombardeios contra os acampamentos das Farc, com base em um acordo obtido pelas partes em Havana para "desescalar" o confronto.

O conflito interno na Colômbia deixou em cinco décadas 220 mil mortos e seis milhões de deslocados, segundo números oficiais.

AFP