Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O presidente colombiano Juan Manuel Santos discursa no Fórum Econômico Mundial (WEF) sobre a América Latina em Medellin

(afp_tickers)

A guerrilha das Farc está preparada para uma "guerra urbana" na Colômbia caso os acordos de paz que espera firmar em breve sejam rejeitados por um plebiscito, advertiu nesta quinta-feira o presidente colombiano, Juan Manuel Santos.

"Temos informação ampla de que eles (as Farc) estão preparados para voltar à guerra e à guerra urbana, que é mais demolidora que a guerra rural", afirmou Santos durante o Forum Econômico Mundial sobre a América Latina, celebrado em Medellín.

"Se o plebiscito não for aprovado voltaremos à guerra. Isto é sincero", declarou Santos sobre o aval aos acordos, um tema espinhoso nas negociações de paz com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), que avançam em Havana desde novembro de 2012.

Sobre o fim do conflito - outro ponto difícil de fechar - o presidente afirmou que representantes das Nações Unidas já se encontram na Colômbia para supervisionar as zonas de concentração onde a guerrilha entregará suas armas.

Santos acrescentou que nos "próximos dias" espera resolver pontos espinhosos das negociações, como o número e a localização destas zonas de concentração da guerrilha, que mantém um cessar-fogo unilateral desde 20 de julho passado.

A realização do plebiscito para referendar os acordos de paz, ao qual os rebeldes se opuseram até maio passado, ainda depende da autorização da Corte Constitucional, que não decidiu sobre a legalidade da consulta.

O conflito interno colombiano, iniciado como uma revolta camponesa em 1964, envolveu guerrilhas, paramilitares e agentes do Estado, e deixou 260 mil mortos, 45 mil desaparecidos e 6,8 milhões de deslocados.

AFP