Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O presidente Juan Manuel Santos afirmou que o país não pode continuar indefinidamente nesta situação.

(afp_tickers)

O presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, advertiu nesta terça-feira à guerrilha das Farc, a quem atribuiu um ataque contra uma torre de energia que deixou sem luz 450.000 pessoas, que estas ações podem levar à ruptura do processo de paz.

"O que nós estamos dizendo é que, se continuarem com isso, este processo pode acabar, porque não podemos continuar indefinidamente nesta situação", afirmou o presidente em um discurso pronunciado em um ato oficial.

Segundo informou o exército, integrantes das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) "detonaram um artefato explosivo em uma torre de energia no município de Dagua, no Valle del Cauca (oeste), ocasionando sua 'derrubada' e a suspensão do fornecimento no porto de Buenaventura", o principal porto da Colômbia.

Depois da explosão da torre, a população de Buenaventura ficou sem eletricidade e a Empresa de Energia do Pacífico (EPSA) cifrou em 450.000 as pessoas afetadas pela falta de luz.

As Farc, a guerrilha que atua há 50 anos na Colômbia, estão em negociações de paz com o governo colombiano em Havana desde 2012, sem que tenha sido acertada uma trégua entre as duas partes.

AFP