Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O presidente colombiano, Juan Manuel Santos, em Nova York, no dia 27 de setembro de 2015

(afp_tickers)

O presidente colombiano, Juan Manuel Santos, anunciou nesta segunda-feira um inédito envio de 5.000 capacetes azuis de seu país às forças de manutenção da paz da ONU em três anos, uma medida que será aplicada de "maneira gradual".

"No curto prazo vamos contribuir com 58 homens e mulheres da polícia nacional devidamente certificados pelas Nações Unidas que poderão participar em missões como Haiti e Guiné-Bissau e 12 oficiais das forças militares", disse Santos em um evento à margem da Assembleia Geral da ONU.

"No segundo ano contribuiremos com 500 homens como contingente militar e a partir do terceiro ano com três batalhões até 5.000 homens", afirmou.

A Colômbia não mobiliza atualmente nenhum homem nas forças de manutenção da paz da ONU.

Segundo o presidente, a participação colombiana "será gradual" levando em conta o "avanço do processo de paz" entre o governo e a guerrilha das Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia).

Santos selou no último 23 de setembro um histórico acordo de justiça no marco dos diálogos de paz com essa guerrilha comunista para acabar com um conflito de meio século que deixou 220.000 mortos e seis milhões de deslocados, segundo números oficiais.

A segunda contribuição mais importante da região para as forças de paz foi anunciada pelo Brasil, com 800 soldados e 200 fuzileiros, que se somarão aos atuais 1.299 capacetes azuis brasileiros.

O Brasil também prometeu contribuir com uma unidade médica, 20 observadores militares e outros 20 oficiais.

AFP