Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, assina o decreto que autoriza a convocação de um referendo sobre o acordo de paz selado entre o governo e a guerrilha das FARC, em 30 de agosto de 2016

(afp_tickers)

O presidente colombiano, Juan Manuel Santos, pediu neste domingo às elites de seu país que apoiem o acordo de paz com a guerrilha das Farc, "imperfeito", mas preferível a sofrer mais décadas de guerra.

"Estou certo de que o povo colombiano tem inteligência para pensar que, embora não seja uma paz perfeita, isso é melhor que mais 20 ou 30 anos de guerra", declarou Santos em uma entrevista ao jornal El País.

Segundo o acordo anunciado em 25 de agosto após quatro anos de negociações, o desarmamento das Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia) deve ser concluído em 180 dias.

O acordo será assinado em 26 de setembro e submetido a referendo em 2 de outubro.

As partes também entraram em acordo sobre a forma de julgar militares e rebeldes acusados dos crimes mais graves durante um conflito que deixou oficialmente 260.000 mortos, 45.000 desaparecidos e 6,9 milhões de deslocados.

A anistia está prevista para os que tiverem cometido os atos menos graves, como rebelião ou posse ilegal de armas.

As críticas ao acordo também estiveram presentes, especialmente por parte do antecessor de Santos, o conservador Álvaro Uribe (2002-2010), contrário ao acordo porque, segundo ele, garante a impunidade de integrantes do alto escalão da guerrilha.

O tribunal que será criado para julgar os crimes mais graves "tem que trabalhar com muita eficiência e abordar em primeira instância os casos mais significativos para gerar credibilidade e fazer as pessoas perceberem que a justiça está sendo aplicada. Mas não nos enganemos: conseguir aplicar veredictos sobre todos os casos de 52 anos de guerra é impossível", declara Santos, pedindo "pragmatismo".

"A atitude das vítimas foi uma das grandes lições deste processo. Pensei que seriam os mais duros e foram os mais generosos, os mais dispostos a perdoar", acrescenta o presidente colombiano.

"Não entendo como meus companheiros de elite, porque eu pertenço a ela, sou membro dos clubes mais exclusivos da capital, se deixam desinformar sobre os benefícios da paz", prossegue.

"Sinto-me às vezes triste de que exista gente que depois de ter a informação não entenda a importância de dar este passo para deixar a todos os nossos filhos um país mais tranquilo", acrescenta.

O processo de negociação "foi difícil, mas construir a paz vai ser ainda mais complicado", admite o presidente colombiano ao jornal El País. Apesar disso, o acordo "mudará a história da Colômbia".

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP