Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Foguete Ariane 5 é lançado do Centro Espacial da Guiana Francesa com satélites brasileiro e sul-coreano, em Kourou, em 4 de maio de 2017

(afp_tickers)

O satélite brasileiro de telecomunicações SGDC - de uso militar e civil - foi colocado em órbita nesta quinta-feira, a partir do Centro Espacial de Kourou (CSG), na Guiana francesa.

O lançamento foi realizado às 18H51 locais (18H51 de Brasília), pouco mais de uma hora após o previsto, e 28 minutos depois o SGDC (Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações Estratégicas) se separou do foguete Ariane 5.

O SGDC, lançado por encomenda da Telebras S.A., tem por objetivo garantir uma comunicação segura por satélite das Forças Armadas e do governo, e ao mesmo tempo fornecer serviços de comunicação de banda larga a territórios isolados do Brasil.

"Com isto vamos democratizar o fenômeno digital em nosso país, já que a banda larga chegará a todos os rincões do Brasil", disse à imprensa o presidente Michel Temer, que acompanhou o lançamento de um centro da Força Aérea em Brasília.

Segundo o governo, o satélite permitirá blindar as comunicações militares e ampliar a capacidade das Forças Armadas em operações nas fronteiras terrestres e em resgates em alto mar, além de melhorar o controle do espaço aéreo brasileiro.

"É o primeiro satélite operado completamente por brasileiros, e permitirá nossa soberania e independência", destacou o ministro da Defesa, Raul Jungmann.

O projeto custou ao Brasil mais de 2,7 bilhões de reais.

O satélite estará operacional a partir de meados de junho, posicionado a quase 36.000 km da superfície terrestre, informou a Força Aérea Brasileira.

O mesmo foguete Ariane colocou em órbita o satélite KOREASAT-7, da operadora sul-coreana Ktsat, que tem como objetivo melhorar a banda larga e a cobertura na Coreia do Sul, Filipinas, Índia e Indonésia.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP