Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Foguete na estação espacial de Kourou, Guiana Francesa, no dia 14 de fevereiro de 2017

(afp_tickers)

O diretor do Centro Espacial da Guiana Francesa disse nesta quinta-feira que o lançamento de um foguete Ariane 5 para colocar em órbita dois satélites, um brasileiro e um sul-coreano, adiado por uma greve, não será realizado até que a "situação trabalhista" seja resolvida.

"Cabe às autoridades competentes e aos representantes eleitos resolver esta situação", disse Didier Faivre a uma rádio local, depois de que o lançamento foi adiado três vezes desde terça-feira por uma greve.

O lançamento do foguete para pôr em órbita um satélite da Telebras e outro da sul-coreana Ktsat foi adiado devido a um piquete na entrada do Centro Espacial de Kourou e a uma greve de trabalhadores da empresa Endel, responsável pelo traslado do foguete para a plataforma de lançamento.

"A evolução da situação não permite a retomada das operações para o lançamento VA236. A Arianespace decidiu adiá-lo", informou a companhia europeia em um comunicado.

Vários movimentos sociais ocorrem desde o início da semana na Guiana Francesa para exigir melhores condições trabalhistas e protestar contra a insegurança e as deficiências dos cuidados de saúde.

O satélite SGDC, da Telebras, terá uso militar e civil. Pretende garantir comunicações seguras para o governo e as forças armadas, assim como fornecer serviços de banda larga em regiões remotas do país.

O outro, KOREASAT-7, de propriedade da operadora sul-coreana KTsat, tem como objetivo melhorar a banda larga e a cobertura na Coreia do Sul, Filipinas, Índia e Indonésia.

AFP