Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Foguete russo Soyuz decola da base espacial da agência europeia na Guiana Francesa em 22 de agosto

(afp_tickers)

Dois satélites Galileo lançados na sexta-feira de uma base na Guiana Francesa por um foguete Soyuz não atingiram a órbita prevista, o que ameaça adiar o início do funcionamento do sistema de navegação europeu, que deseja competir com o GPS americano.

"As observações complementares realizadas após a separação dos satélites do (foguete) Soyuz VS09 para a missão Galileo FOC M1 evidenciam uma distância entre a órbita alcançada e a prevista", anunciou a empresa Arianespace, que está investigando o problema.

"Os satélites foram colocados em uma órbita abaixo do previsto. As equipes estão estudando o impacto que isto poderia ter nos satélites", completou a empresa.

Até o momento, a Arianespace não se pronunciou sobre a possibilidade de corrigir a trajetória dos dois satélites.

O lançamento estava previsto inicialmente para quinta-feira, mas foi adiado por condições meteorológicas desfavoráveis.

Depois de três horas e 48 minutos, o módulo superior Fregat se separou dos dois satélites Galileo Sat-5 e Sat-6 para colocá-los em uma órbita circular a 23.522 km de altitude.

O foguete russo Soyuz decolou da plataforma de lançamento de Sinnamary, perto de Kuru, na sexta-feira com uma carga de 1,6 tonelada.

A previsão era de que os dois novos satélites Galileo estariam operacionais no outono (hemisfério norte, primavera no Brasil). Já foram lançados quatro satélites, dois deles em outubro de 2011 e os outros um ano mais tarde.

Os europeus desejam dispor de uma tecnologia própria e independente do sistema militar americano GPS.

O programa, com custo de mais de cinco bilhões de euros, é totalmente financiado pela Comissão Europeia e administrado pela ESA, a Agência Espacial Europeia.

Inicialmente, o sistema tinha previsão de começar a funcionar em 2008, com um custo de 3,2 bilhões de euros, mas acumulou atrasos e novos custos.

A operadora europeia Arianespace anunciou na quinta-feira o lançamento de 12 novos satélites para acelerar a implantação do Galileo.

Está previsto o lançamento de outros dois satélites em 2014.

AFP