Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(2016) A ativista Manal al-Sharif participa de conferência em Praga

(afp_tickers)

A militante saudita Manal al-Sharif, que vive em Sydney, declarou nesta quinta-feira (28), que está ansiosa para voltar a dirigir em seu país, depois que o reino autorizou as mulheres a conduzirem veículos.

Líder do movimento de protesto "Women2Drive", Manal ficou presa por nove dias, em maio de 2011, por ter publicado na internet um vídeo no qual dirigia na cidade saudita de Jobar (leste).

Na última terça (26), o rei Salman ordenou que sejam entregues carteiras de motorista para homens e mulheres, "sem distinção", segundo um decreto real. O reino era o único país no qual as mulheres não tinham direito a dirigir.

A medida, que deve entrar em vigor em junho, leva a marca do príncipe herdeiro Mohamed bin Salman, de 32 anos, promotor de um amplo programa de reformas econômicas e sociais batizado "Visão 2030".

"É um dia verdadeiramente histórico", declarou Manal a um jornal local.

"Vou ser sincera: acabo de chorar", desabafou a ativista, que foi viver na Austrália depois de deixar a prisão.

"Meu carro continua lá (...) Minha família o manteve. Vou dirigir, mas legalmente desta vez", completou.

A organização Human Rights Watch celebrou o fim da proibição, classificada por sua diretora para o Oriente Médio, Sarah Leah Whitson, de "vitória importante para as mulheres sauditas que, corajosamente, durante décadas, enfrentaram a discriminação sistemática".

"Agora, as autoridades sauditas devem garantir que as mulheres tenham permissão de dirigir da mesma maneira que os homens, ou seja, sem restrições", acrescentou.

Reivindicada desde 1990 por uma parte da sociedade, a medida entrará em vigor a partir de junho de 2018.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP