Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O secretário-geral da Unasul, Ernesto Samper, é visto em 8 de abril de 2015

(afp_tickers)

O secretário-geral da Unasul, Ernesto Samper, propôs nesta sexta-feira ao governo da Colômbia e às Farc uma trégua bilateral com verificação estrangeira, após a ofensiva lançada por esta guerrilha em meio a negociações de paz que mantém em Cuba.

O ex-presidente colombiano (1994-1998) criticou o ataque atribuído aos rebeldes nos quais motoristas de caminhões foram forçados a derramar 200 bilhões de petróleo no departamento (estado) de Putumayo, um dano que, segundo Bogotá levará 15 anos para ser mitigado e que pode se espalhar para o Equador e o Peru.

"Os vazamentos desumanos de peteóleo em Putumayo demonstram a necessidade de blindar o processo de Havana com um cessar-fogo bilateral verificado internacionalmente", expressou Samper em sua conta no Twitter.

Há três semanas, as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc, comunistas) suspenderam a trégua unilateral declarada em dezembro passado no âmbito dos diálogos de paz em Havana, realizados desde novembro de 2012, que visam a acabar com um conflito que já dura meio século.

O governo de Juan Manuel Santos recusa-se a suspender a luta contra esta organização, alegando que as Farc poderiam aproveitar esta decisão para se fortalecer militarmente.

Desde a semana passada, ataques atribuídos às Farc deixaram pelo menos três do sudoeste do país sem luz por vários dias e provocando vazamentos de petróleo que contaminaram zonas rurais e rios.

AFP