Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O secretário-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), Luis Almagro, em Cancún, em 19 de junho de 2017

(afp_tickers)

As sanções econômicas impostas pelos Estados Unidos a autoridades da Venezuela têm sido "extremamente positivas", considerou nesta sexta-feira o secretário-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), o uruguaio Luis Almagro.

"As ações adotadas pelo governo americano serviram para construir e aumentar a pressão sobre o regime. As sanções aplicadas contra o vice-presidente têm sido extremamente positivas", considerou o diplomata uruguaio.

Na semana passada, a Casa Branca ameaçou com "ações econômicas fortes e rápidas", se o governo da Venezuela avançar com a sua proposta de realizar uma Assembleia Nacional Constituinte.

Durante uma conferência no Atlantic Council em Washington, Almagro minimizou o possível impacto humanitário que poderia ter um bloqueio ao petróleo da Venezuela.

Em sua opinião, os recursos da venda do petróleo "estão indo para comprar vontades, para comprar o material repressivo."

Almagro sugeriu, porém, que a prioridade deve ser a continuação de "sanções específicas" contra autoridades específicas que lideram a "estrutura de comando" que ordena a repressão de protestos

No entanto, no mesmo painel, o economista venezuelano Francisco Rodríguez advertiu que um bloqueio ao petróleo teria um efeito devastador não só para o governo, para todo o país.

"Cerca de 95% das exportações da Venezuela é de petróleo. Com esse dinheiro, compra-se tudo. Temo que um bloqueio trasnforme uma crise humanitária em uma catástrofe humanitária", disse Rodriguez, analista do fundo de investimento Torino Capital.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










AFP