Navigation

Secretário-geral da ONU renova oferta de mediar crise na Venezuela

O ministro das Relações Exteriores venezuelano, Jorge Arreaza (C), mostra um jornal enquanto discursa em uma reunião do Conselho de Segurança das Nações Unidas sobre a situação na Venezuela, em 26 de janeiro de 2019 afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 12. fevereiro 2019 - 03:00
(AFP)

O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), António Guterres, renovou nesta segunda-feira sua oferta de ajudar a mediar o fim da crise na Venezuela, durante as negociações com o ministro das Relações Exteriores do país.

Guterres encontrou-se com o ministro das Relações Exteriores venezuelano, Jorge Arreaza, em Nova York, a pedido de Caracas, em um momento em que o impasse entre o presidente Nicolás Maduro e o líder da oposição Juan Guaidó se intensifica.

As Nações Unidas pediram negociações políticas sérias entre os dois lados para evitar um deslizamento em direção a mais violência no país sul-americano.

"O secretário-geral reafirmou que sua oferta de bons ofícios para ambas as partes permanece disponível para negociações sérias para ajudar o país a sair do atual impasse em benefício do povo da Venezuela", disse o porta-voz da ONU, Stephane Dujarric.

Guaidó se autodeclarou presidente interino no mês passado e desde então foi reconhecido por cerca de 50 países, incluindo os Estados Unidos.

A Rússia e a China, no entanto, continuam apoiando Maduro, assim como alguns países africanos, criando uma divisão global que deixou a ONU em um dilema.

Na semana passada, o chefe da ONU disse que não participaria de nenhuma iniciativa promovida por grupos de nações para garantir a credibilidade de sua oferta de "bons ofícios".

Guterres insistiu em que ambos os lados devem solicitar sua mediação antes que ele possa entrar na disputa.

Diplomatas da ONU disseram que o governo de Maduro estava pronto para manter conversações, mas não ficou claro se Guaidó aceitaria um papel dessa organização na disputa.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.