Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O opositor venezuelano Leopoldo Lopez em Caracas no dia 11 de fevereiro de 2014

(afp_tickers)

A secretaria da União das Nações Sul-americanas (Unasul) informou nesta sexta-feira que respeita as decisões na Venezuela e que confia em que o opositor Leopoldo López, condenado a quase 14 anos de prisão em seu país, possa exercer sua defesa em segunda instância.

O organismo, com sede em Quito, manifestou em um comunicado "seu respeito às decisões adotadas pelas autoridades jurisdicionais" após a sentença que condenou López por incitar a violência durante protestos antigovernamentais em 2014, que deixaram 43 mortos e centenas de feridos.

A sentença, que será apelada pela defesa do político, foi rechaçada pela oposição e questionada pelos Estados Unidos, a União Europeia e outros governos.

A Unasul, bloco que reúne os 12 países sul-americanos, confia em que López "possa exercer os recursos processuais que considerar pertinentes em sua defesa" e enfatizou a "necessidade de respeitar o devido processo e oferecer todos os processados as garantias constitucionais e legais correspondentes", destacou a secretaria em nota.

López, de 44 anos, economista com mestrado em Harvard, terá que cumprir pena de 13 anos, nove meses e sete dias na prisão militar de Ramo Verde, onde está detido desde 18 de fevereiro de 2014, quando se entregou às autoridades.

A juíza Susana Barreiros considerou culpado o fundador do partido de centro-direita Vontade Popular das acusações de "danos e incêndio, incitação pública e associação para delinquir".

AFP