Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) O senador americano John McCain

(afp_tickers)

O senador e herói de guerra dos Estados Unidos John McCain atacou veladamente o presidente Donald Trump, com quem mantém uma relação de crescente confronto, ao ironizar os motivos que permitiram ao milionário ficar isento do serviço militar na juventude.

O senador republicano, candidato derrotado à presidência em 2008, foi entrevistado no domingo à noite pelo canal C-SPAN 3 por ocasião do aniversário de 50 anos de sua participação na guerra do Vietnã, durante a qual passou cinco anos como prisioneiro em Hanói e foi torturado.

"Um aspecto do conflito, certamente, que nunca vou tolerar é que enviamos pessoas com o nível de renda mais baixo e que os mais ricos encontraram um médico que disse que tinham um problema ósseo", disse McCain, em aparente referência ao diagnóstico que permitiu a Trump escapar em 1968 do serviço militar obrigatório.

"Isto é ruim. Se pedimos a todos os americanos que sirvam, então todos devem fazer isto", insistiu.

Como candidato à presidência em 2015, Trump disse que McCain era um herói de guerra apenas "porque foi capturado".

"Gosto de pessoas que não foram capturadas", disse Trump.

Desde sua eleição, Trump enfrenta as críticas agudas do senador veterano e militar, sem deixar de responder, o que pode colocar em risco a apertada maioria republicana no Senado (52 votos de um total de 100).

"Estou sendo muito amável. Estou sendo muito, muito amável. Mas em algum momento vou contra-atacar e não será agradável", afirmou Trump na semana passada.

"Enfrentei oponentes difíceis em minha vida", respondeu McCain, de 81 anos e diagnosticado com câncer cerebral em julho.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP