Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) Lilian Tintori (D) e Mitzi Capriles, mulheres de López e Ledezma, respectivamente, em Buenos Aires, no dia 27 de março de 2015

(afp_tickers)

Os senadores americanos Marco Rubio e Robert Menendez manifestaram seu apoio e se reuniram nesta quinta-feira com as mulheres dos dirigentes da oposição venezuelana Leopoldo López e Antonio Ledezma, que estão presos no país sul-americano.

"Meu apoio aos presos políticos detidos injustamente pelo presidente (Nicolás) Maduro e minha simpatia pelas esposas e seguidores desses inocentes líderes são ilimitados", disse Menendez.

O senador de origem cubana comentou que Ledezma e López enfrentam "uma batalha de todos que dão valor à democracia e aos direitos humanos". Ele também denunciou o "governo repressivo" de Maduro.

Lilian Tintori e Mitzi Capriles, mulheres de López e Ledezma, respectivamente, assim como a ativista de direitos humanos Tamara Sujú, reuniram-se hoje com os legisladores.

Rubio pediu, por sua vez, maior apoio dos Estados Unidos a López e Ledezma, e se pronunciou por uma aplicação mais extensa da lei de sanções aprovada em março passado, pela Casa Branca, contra funcionários do governo venezuelano.

O senador alertou que López pode ser condenado em breve em um "julgamento-farsa controlado pelo regime de Nicolás Maduro" e, diante disso, insistiu em que os Estados Unidos e outros países devem pedir sua "libertação imediata".

AFP