Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Enorme bandeira na Parada Gay da Cidade do México em 24 de junho de 2017

(afp_tickers)

O juiz Waldemar de Carvalho reabilitou a assistência psicológica para a orientação sexual, em uma sentença polêmica que reabre as portas para tratar a homossexualidade como uma doença.

No ato, a decisão derruba uma norma do Conselho Federal de Psicologia (CFP) que impede que seus filiados abordem a homossexualidade como uma patologia, uma prática obsoleta que até esta sentença podia levar à suspensão da licença profissional dos psicólogos.

"Defiro em parte a liminar requerida para, sem suspender os efeitos da Resolução 001/1990, determinar ao CFP que não interprete de modo a impedir os psicólogos de promoverem estudos ou atendimento profissional, de forma reservada, pertinente a (re)orientação sexual, afetando, assim, a liberdade científica", assinalou o juiz na sentença que a AFP teve acesso.

Para o CFP, essa decisão "abre a perigosa possibilidade de uso de terapias de reversão sexual".

"A ação foi movida por um grupo de psicólogas(os) defensores dessa prática, que representa uma violação dos direitos humanos e não tem qualquer embasamento científico", explicou o conselho em comunicado.

A ordem judicial alimenta supostos tratamentos conhecidos como a "cura gay" e vai na contramão do posicionamento da Organização Mundial de Saúde de 1990, que definiu a homossexualidade como uma variação natural da sexualidade humana.

Segundo seus críticos, quer enfraquecer os direitos dos homossexuais mediante uma interpretação jurídica de uma norma que resistiu a muitas tentativas anteriores para ser anulada.

"O Conselho Federal de Psicologia informa que o processo está em sua fase inicial e afirma que vai recorrer da decisão liminar, bem como lutará em todas as instâncias possíveis para a manutenção da Resolução 01/99, motivo de orgulho de defensoras e defensores dos direitos humanos no Brasil", disse a entidade.

Com uma grande e forte comunidade homossexual, o Brasil também tem uma profunda marca religiosa e homofóbica, além de potentes correntes de pensamento conservador que combatem abertamente a liberdade sexual.

Alguns de seus mais populares políticos atacam sem eufemismos os homossexuais e no Congresso circulam inúmeros projetos para limitar a chamada agenda de novos direitos.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP