Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Representante da guerrilha do ELN, Pablo Beltran, nas negociações de paz no Equador (6 de abril de 2017).

(afp_tickers)

O governo da Colômbia atribuiu nesta segunda-feira ao ELN, única guerrilha ativa no país, o sequestro de oito pessoas em uma região do noroeste colombiano, destacando que tais ações "dificultam enormemente" o diálogo de paz.

As ações "da Frente Ocidental do ELN em Chocó, sequestrando e delinquindo, dificultam enormemente as negociações de Quito", escreveu no Twitter Juan Camilo Restrepo, chefe da equipe negociadora do governo com o Exército de Libertação Nacional (ELN).

O governo de Juan Manuel Santos, que busca a "paz completa" após o acordo com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), exige que o ELN suspenda os sequestros, algo negado pelo grupo rebelde.

Sete homens e uma mulher foram sequestrados no domingo em Sesegó, zona rural do remoto município de Nóvita, departamento de Chocó, por um grupo armado que as autoridades afirmam pertencer ao ELN.

O ministro da Defesa, Luis Carlos Villegas, que liderou nesta segunda-feira um conselho de segurança extraordinário em Nóvita, informou que efetivos da força pública operam "neste momento" na região contra o ELN.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP