Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O governo de Serra Leoa prometeu ajudar mais de 3.000 pessoas que ficaram sem lar pelas inundações e delizamentos de terra em Freetown

(afp_tickers)

O presidente de Serra Leoa pediu nesta terça-feira uma ajuda urgente para a capital, Freetown, onde mais de 300 pessoas morreram por inundações e deslizamentos de terra causados pelas chuvas, enquanto os socorristas continuam procurando por corpos.

A Cruz Vermelha informou que luta para resgatar as famílias soterradas pela lama que invadiu as casas, e cadáveres foram retirados com escavadeiras na comunidade da colina de Regent, nesta terça, segundo um jornalista da AFP no local.

Ao falar com a imprensa em Regent, uma das áreas mais atingidas pela inundação, o presidente Ernest Bai Koroma não conseguiu conter as lágrimas ao afirmar que a devastação os "angustia".

"Comunidades inteiras foram arrasadas", disse Koroma no local do desastre, onde as fortes chuvas causaram uma correnteza de lama e os deslizamentos cobriram casas de até três e quatro andares, muitas delas construídas ilegalmente.

"Precisamos de ajuda urgente", acrescentou o presidente.

O governo prometeu ajudar 3.000 pessoas atingidas que ficaram sem lar, abrindo um centro de emergência em Regent e quatro centros de registro, enquanto a Cruz Vermelha informou que 600 pessoas continuavam desaparecidas, embora o ministro do Interior tenha falado em milhares.

- Ajuda internacional -

Israel e Grã-Bretanha informaram que enviarão ajuda o mais rápido possível à cidade atingida, que tem cerca de um milhão de habitantes.

O porta-voz da Cruz Vermelha, Patrick Massquoi, disse à AFP na segunda-feira que o balanço de mortos era de 312, mas outro funcionário da Cruz Vermelha Abu Bakarr Tarrawallie fixou o balanço em 245 em um e-mail enviado à AFP nesta terça-feira, enquanto meios de comunicação locais e funcionários dão diversos balanços.

"Estamos lutando contra o tempo, as inundações e o risco de doenças para ajudar as comunidades afetadas a sobreviver e enfrentar as suas perdas", declarou Tarrawillie.

No hospital militar da cidade, o encarregado de Saúde, Wilberforce Mohammed Rogers, disse que está atendendo várias crianças que apresentam muitas feridas, entre elas um bebê de seis meses. Muitos perderam os pais, acrescentou Rogers.

Um jornalista da AFP viu pessoas atingidas dormindo em escolas, centros comunitários e ao ar livre, e outras foram para casas de familiares.

As inundações são um perigo recorrente em Serra Leoa, onde as chuvas torrenciais ocorrem muitas vezes sobre as casas precárias.

Em Freetown chove seis meses ao ano. Em setembro de 2015 as inundações causaram 10 mortes na capital, onde cerca de 9.000 pessoas perderam os seus lares.

O ministro da Saúde alertou para os riscos à saúde relacionado às inundações, como a possibilidade de uma epidemia de cólera.

Junto com Guiné e Libéria, Serra Leoa faz parte dos países da África ocidental que foram mais atingidos pela epidemia de ebola, que matou mais de 11.300 pessoas entre 2013 e 2016.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP