Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

A foto de junho de 2017 mostra um ônibus em Nova York com o anúncio do novo álbum do rapper Jay-Z "4:44", lançado exclusivamente no serviço de streaming Tidal

(afp_tickers)

O consumo de música por streaming segue em franca expansão nos Estados Unidos, onde cresceu 10% desde o começo do ano, informou nesta quinta-feira uma consultoria especializada.

Em um informe sobre os seis primeiros meses de 2017, a BuzzAngle Music indica que, a cada semana, uma média de 10,8 bilhões de músicas foram escutadas via streaming. No ano passado, nesse mesmo período, o número não passava de 10 bilhões.

O consumo de música em geral - somando streaming, downloads e vendas físicas em lojas - aumentou 9,9% em relação ao mesmo período do ano anterior.

Mas, graças ao streaming - que permite aos usuários escutar música online e de forma ilimitada -, a indústria vive um bom período de expansão dos investimentos, após duas décadas de estagnação ou retrocesso.

As assinaturas de serviços pagos como Spotify, Apple Music e Tidal já representam 78,6% da música escutada em streamings.

Por causa do sucesso desse serviço, dois importantes formatos estão perdendo adeptos: os downloads em plataformas como iTunes caíram 25% na primeira metade de 2017, e a venda de CDs, 3,9%.

Os vinis, que voltaram à moda, venderam 20% a mais no primeiro semestre deste ano.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP