Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Membro das Forças Democráticas Sírias retira bandeira do grupo extremista Estado Islâmico (EI) de Tabqa, em 30 de abril de 2017

(afp_tickers)

A Justiça egípcia condenou sete pessoas à morte, neste sábado (16), por pertencerem ao grupo extremista Estado Islâmico (EI), ou pelo envolvimento na decapitação de 21 cristãos, incluindo 20 egípcios na Líbia.

Em fevereiro de 2015, o EI divulgou um vídeo, mostrando as execuções em uma praia da Líbia. Depois desse episódio, o Egito bombardeou posições extremistas no país vizinho.

Dos sete egípcios condenados hoje, três serão julgados à revelia, informaram fontes judiciais.

Todos são acusados de pertencerem a uma célula do EI na província Marsa Matruh (noroeste do Egito) e de terem planejado ataques terroristas, após treinamento nos campos radicais na Líbia e na Síria. Entre eles, alguns também foram acusados de envolvimento nas decapitações.

De acordo com a legislação do país, as penas de morte devem ser submetidas à avaliação do mufti do Egito.

Em maio, o presidente Abdel Fatah al-Sissi advertiu contra relocalização dos extremistas na Líbia e no Sinai egípcio, após a ofensiva sofrida na Síria.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP