Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Moradores e membros da Defesa Civil Síria, os chamados Capacetes Brancos, buscam sobreviventes sob os escombros, após ataque aéreo na cidade de Armanaz, na província de Idlib, em 30 de setembro de 2017

(afp_tickers)

Pelo menos 3.000 pessoas, entre elas 955 civis, morreram no conflito da Síria em setembro, o mês mais letal de 2017 - anunciou o Observatório Sírio para os Direitos Humanos (OSDH) neste domingo (1º).

"Mais de 70% das vítimas civis morreram em ataques aéreos do regime, ou da Rússia, ou nos bombardeios da coalizão internacional" liderada pelos Estados Unidos, disse à AFP o diretor do OSDH, Rami Abdel Rahman.

Pelo menos 3.000 pessoas, entre elas 955 civis, morreram no conflito sírio em setembro, o mês mais letal de 2017 - anunciou o Observatório Sírio para os Direitos Humanos (OSDH) neste domingo (1º).

"Mais de 70% das vítimas civis morreram em ataques aéreos do regime, ou da Rússia, ou nos bombardeios da coalizão internacional" liderada pelos Estados Unidos, disse à AFP o diretor do OSDH, Rami Abdel Rahman.

Com o apoio da Força Aérea russa, as forças do governo Bashar Al-Assad realizam uma ofensiva em Deir Ezzor, no leste da Síria, para retomar o território das mãos dos extremistas do Estado Islâmico (EI).

Já a coalizão internacional liderada pelos Estados Unidos oferece apoio aéreo às Forças Democráticas Sírias (FDS), uma aliança curdo-árabe que combate o EI em seu bastião de Raqa, ao norte do país, e também em Deir Ezzor.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP