Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

A ministra sul-coreana das Relações Exteriores, Kang Kyung-wha, em Washington DC, em 25 de setembro de 2017

(afp_tickers)

A Coreia do Sul exortou os Estados Unidos nesta segunda-feira a "evitar uma escalada maior das tensões" com a Coreia do Norte, após Pyongyang acusar o presidente americano, Donald Trump, de "declarar guerra" ao país.

"É muito provável que a Coreia do Norte faça outras provocações e é imprescindível que nós, Coreia e Estados Unidos, administremos esta situação (...) para evitar uma escalada maior das tensões ou qualquer tipo de choque militar acidental que possa fugir rapidamente do controle", declarou a ministra sul-coreana das Relações Exteriores, Kang Kyung-wha, em discurso em Washington.

Ao discursar no Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais, a chanceler sul-coreana destacou que "não pode haver uma nova guerra".

Segundo a chanceler, o regime norte-coreano, liderado por Kim Jong-Un, parece ter feito progressos "mais rápidos que o esperado" no desenvolvimento de armas nucleares. "Pyongyang está se aproximando rapidamente de seu objetivo declarado de possuir mísseis balísticos nucleares capazes de atingir os Estados Unidos".

Segundo Kang, a Coreia do Norte "deve mudar de atitude e o primeiro passo é parar com as provocações".

Para tal, a chanceler pediu "máxima pressão" e fortes sanções como "ferramentas diplomáticas" para convencer Pyongyang a voltar à mesa de negociações para livrar a Península da Coreia das armas nucleares de forma "total, verificável e irreversível".

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP