Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) Foto tirada em 16 de maio de 2016 mostra o produtor americano Harvey Weinstein e sua esposa, a atriz americana Georgina Chapman, em Cannes

(afp_tickers)

O sindicato de produtores cinematográficos dos Estados Unidos abriu nesta segunda-feira (16) um processo para expulsar Harvey Weinstein, alvo de inúmeras denúncias de assédio e abuso sexual, dias depois de ser retirado da Academia.

A diretoria do sindicato (PGA, em inglês) decidiu "por unanimidade iniciar o procedimento para acabar com a participação" do outrora magnata de Hollywood.

"O senhor Weinstein terá a oportunidade de responder (às acusações) antes que o sindicato tome uma decisão em 6 de novembro", indicou em comunicado.

Consultado pela AFP, o PGA não disse quando será essa audiência.

O produtor de 65 anos caiu em desgraça quando o jornal The New York Times publicou em 5 de outubro um explosivo artigo sobre o seu assédio contra atrizes e outras mulheres. Desde então foram feitas acusações públicas, que incluem cinco de estupro.

"O assédio sexual de qualquer tipo é completamente inaceitável. Esse é um problema sistêmico e generalizado que requer a imediata atenção da indústria", acrescentou a PGA, que criou uma comissão para investigar e propor soluções sobre a questão.

A junta diretora do sindicato é composta por 20 mulheres e 18 homens.

A Academia das Artes e Ciências Cinematográficas dos Estados Unidos expulsou Weinstein no sábado.

"Não só nos distanciamos de alguém que não merece o respeito de seus colegas como enviamos uma mensagem para que termine a era de ignorância deliberada e vergonhosa cumplicidade em nossa indústria", informou o anúncio.

A Academia Britânica de Artes Cinematográficas e de Televisão (Bafta) o suspendeu na quarta-feira passada.

Muitos se perguntaram se a Academia tomará medidas similares contra Roman Polanski, acusado de estuprar uma menina de 13 anos 1977 - reconheceu a relação sexual com ela, dizendo que era consensual - e Bill Cosby, acusado por cerca de 50 mulheres de assédio, agressão sexual e estupro.

O ator de "O Poderoso Chefão II" Carmine Caridi havia sido até agora o único membro expulso: acusado de emprestar fitas de VHS de filmes dos candidatos ao Oscar a um vizinho que comerciante de filmes piratas.

O presidente francês, Emmanuel Macron, anunciou no domingo ter "iniciado os trâmites" para que fosse retirada a Legião de Honra, a maior condecoração francesa, oferecida ao produtor.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP