Navigation

Sobe para 4 número de manifestantes opositores mortos na Venezuela

Esta foto divulgada pela presidência mostra o venezuelano Nicolas Maduro dirigindo-se às tropas após uma insurreição militar fracassada afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 02. maio 2019 - 18:23
(AFP)

Dois menores baleados nos protestos de terça e quarta-feira contra o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, morreram nesta quinta-feira (2), elevando para quatro o número de óbitos, segundo familiares e líderes da oposição.

As vítimas são Yosner Graterol, de 16 anos, ferido na última terça-feira na cidade de La Victoria (norte), e Yoifre Hernández, de 14, atingido na quarta-feira em Caracas, disseram os deputados Karin Salanova e Miguel Pizarro, que culparam o governo.

"Morre o adolescente Yosner Graterol, de 16 anos. Ferido a bala em 30 de abril quando exercia seu direito de protesto", tuitou Salanova.

A terça-feira foi marcada por manifestações em várias regiões do país em apoio à rebelião contra Maduro protagonizada por um reduzido grupo de militares liderado pelo opositor Juan Guaidó.

Sem apoio das Forças Armadas, a rebelião em frente à base militar de La Carlota, em Caracas, fracassou.

Já José Hernández confirmou a morte de seu filho Yoifre, baleado nas imediações de La Carlota. Ontem, nesse local, também houve confrontos que deixaram dezenas de feridos, segundo serviços de saúde e organizações de direitos humanos.

A morte dos menores se soma à de Samuel Méndez, de 24, na terça, e à de Jurubith Rausseo, de 27, na quarta, segundo o Observatório Venezuelano de Conflitos Sociais.

"Yosner e Yoifre são dois menores de idade que foram assassinados por este regime. Ambos morreram depois de serem feridos a tiros durante manifestações", afirmou o deputado Miguel Pizarro, no Twitter.

Os enfrentamentos de quarta-feira tiveram início quando uma multidão, em ato convocado por Guaidó, desviou-se para La Carlota. Os distúrbios continuaram nos arredores durante várias horas.

A ONG Fórum Penal relata pelo menos 205 detenções, no âmbito dos protestos desta semana.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.