Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Casal atravessa uma rua alagada em Solymar, localidade de Ciudad de la Costa, 20 km ao leste de Montevidéu, em 7 de fevereiro de 2014

(afp_tickers)

Mais de mil pessoas permaneceram fora de suas casas no norte do Uruguai, devido a inundações provocadas pelas cheias do rio Uruguai, segundo cifras divulgadas no domingo pelo Sistema Nacional de Emergências (SINAE).

"Aumentou para 1.035 o número de pessoas deslocadas em todo o país por causa das inundações", dos 736 deslocados, registrados na manhã deste domingo, publicou o SINAE em sua página na internet.

São "216 evacuados e 819 auto-evacuados", acrescentou o comunicado.

Em Salto, o rio Uruguai - na fronteira com a Argentina - aumentou sua vazão para 14 metros, de 13,85 na manhã deste domingo, dois metros acima da marca que começa a afetar residências, o que totaliza 104 evacuados e 356 auto-evacuados.

Em Artigas, o rio registra uma vazão de 8,85 metros, quando a cota de segurança é de 6,5 metros, deixando 60 evacuados e 177 pessoas que se refugiaram por conta própria na casa de familiares ou vizinhos.

O terceiro departamento (estado) afetado pela cheia do rio é Paysandú, com 52 evacuados e 286 auto-evacuados.

Além disso, permanecem interrompidas quatro rotas nacionais em Canelones (sul), Durazno (centro), Artigas (norte) e Colonia (oeste).

O Instituto Uruguaio de Meteorologia (INUMET) mantém um aviso de nível de risco amarelo - duas escalas abaixo do risco máximo - "por ventos fortes" em seis departamentos do sul e do leste do pais, mas descartou o alerta por chuvas e tempestades.

A situação do Uruguai ocorre em uma semana na qual os vizinhos Brasil e Argentina e também o Paraguai sofrem severas inundações que deixaram milhares de afetados.

AFP