Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Membro da Médicos sem Fronteiras alimenta uma criança com ebola, em Serra Leoa

(afp_tickers)

Hawa Idrisa cuidava do sogro em um centro para vítimas do Ebola em Serra Leoa quando a sonda se soltou e espirrou sangue nos olhos e na boca da jovem. Hoje, ela está curada e representa a esperança do país de vencer o vírus.

A organização Médicos Sem Fronteiras (MSF) considera a mulher um exemplo para a população, tão desconfiada e cética que chegou a atacar os centros de isolamento, como aconteceu no fim de semana na vizinha Libéria.

"Estava coberta de sangue, as pessoas fugiam. Peguei um balde de cloro e joguei sobre mim", conta a mulher de 19 anos e mãe de um bebê.

Uma gota de sangue pode espalhar 100 milhões de partículas do vírus do Ebola. Apenas uma bastaria para matar alguém.

Após uma semana, Idrisa começou a ter febre e sentir dores de cabeça, os primeiros sintomas da doença.

Sua filha Helen, de apenas um ano, apresentou resultado negativo nos exames. Mas ela e o marido, Nallo, foram infectados e internados no centro de tratamento da MSF em Kailahun, uma cidade do leste do país, no extremo de Guiné e Libéria, epicentro da epidemia.

Hawa Idrisa permaneceu quatro semanas internada, entre a vida e a morte.

"Não sabia o que estava acontecendo. Nem sequer onde estava. Não lembro de nada no período", conta.

O vírus Ebola mata mais da metade das pessoas infectadas. Mas quando os pacientes recebem o tratamento rapidamente, com paracetamol contra a febre, hidratação e alimentação contínua, as possibilidades de sobrevivência aumentam consideravelmente.

Hawa Idrisa exibe com orgulho o certificado de cura e pretende retornar para casa.

"Sei que eu e minha filha estamos fora de perigo, mas minha mente e meu coração ficam no centro com meu marido enfermo", afirma.

Agora ela iniciará uma nova missão: atuar, ao lado de outros sobreviventes, como embaixadora ante as famílias e vizinhos nos vilarejos para os quais retornaram com a ajuda da ONG Médicos Sem Fronteiras.

Estabelecer a confiança

Os médicos e enfermeiros locais não se limitam a combater a epidemia, pois precisam lutar contra a desconfiança da população a respeito da medicina moderna e dos funcionários de saúde ocidentais.

Os familiares retiravam à força os parentes infectados com o Ebola dos centros de saúde. Eles faleciam em seus vilarejos, o que ajudava a propagar a doença. Em Serra Leoa, 1.500 policiais e soldados foram mobilizados para impedir as retiradas.

"Esperamos o aumento do número de sobreviventes do Ebola, o que nos ajudaria muito na campanha contra o vírus", declarou na segunda-feira em Freetown a ministra da Saúde, Miatta Kargbo.

Ella Watson-Stryker, de 34 anos, diretora da MSF em Kailahun, acredita que a participação das pessoas curadas "é muito benéfica para a luta contra a epidemia em seu conjunto, porque quando os sobreviventes retornam para casa podem contar sobre a estadia no centro médico".

Com frequência, as pessoas ficam surpresas ao tomar conhecimento de que os enfermos recebem comida, bebida e medicamentos, além de ter acesso aos chuveiros e banheiros, afirma Ella Watson-Stryker.

"Circulam muitos boatos de que quando alguém entra no centro médico é deixado para morrer", completa.

No centro médico, Nallo, o marido de Hawa, sonha em pegar novamente a filha no colo, mas ainda é considerado um paciente de alto risco.

"Quando voltar para casa, se as pessoas contraírem o Ebola, vou aconselhar que venham para cá", conclui.

AFP