Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

A van alugada usada no ataque em Edmonton é fotografada após tombar na rua

(afp_tickers)

A Polícia do Canadá prendeu neste domingo (1º) um homem suspeito de esfaquear um policial e de atropelar quatro pedestres, em uma série de incidentes violentos em Edmonton (oeste), os quais estão sendo investigados como "atos de terrorismo".

O homem de 30 anos, um solicitante de asilo somali, foi identificado pela imprensa local como Abdulahi Hassan Sharif, já conhecido dos serviços de Inteligência, apesar de não ter acusações contra ele.

O suspeito "é um somali que está em processo de solicitar o estatuto de refugiado", disse Marlin Degrand, delegado-adjunto da Real Polícia Montada do Canadá.

"Podemos confirmar a apresentação de uma queixa em 2015" contra essa pessoa, acrescentou em coletiva de imprensa transmitida pela TV.

Sem confirmar o nome do suspeito, o investigador contou que ele foi interrogado pelos serviços de Inteligência em 2015 como parte de uma investigação sobre ameaças de ataques de pessoas radicalizadas com ideias jihadistas.

Depois daqueles interrogatórios, prosseguiu o policial, "não houve provas suficientes para processá-lo com acusações de terrorismo", afirmou Degrand. Naquele momento, "o suspeito não foi considerado uma ameaça para o Canadá", acrescentou.

A onda de crimes começou na noite de sábado (30), nos arredores de um estádio de futebol em Edmonton. O suspeito atropelou um policial com seu carro e depois o esfaqueou. Mais tarde, a bordo de uma van alugada, jogou o veículo na direção de quatro pedestres, antes de ser detido pela Polícia.

Dois dos cinco feridos ainda estão hospitalizados. O policial sofreu cortes no rosto, mas deixou o hospital na tarde deste domingo, informou Rod Knecht, chefe da Polícia de Edmonton.

"Acreditamos que é um indivíduo que agiu sozinho, apesar de a investigação estar nas primeiras etapas", disse mais cedo o chefe de Polícia de Edmonton, Rod Knecht.

Pelos eventos e provas obtidos nas cenas dos crimes, os incidentes estão sendo investigados como "atos de terrorismo", anunciou a Polícia em um comunicado divulgado esta manhã.

O primeiro-ministro canadense, Justin Trudeau, afirmou estar "extremamente preocupado e indignado com essa tragédia", que afirmou ser um "atentato terrorista".

"Não podemos e não permitiremos que o extremismo violento se enraíze em nossas comunidades", garantiu, pedindo aos canadenses que fiquem atentos.

Trudeau declarou ainda que a Polícia Real Montada do Canadá e a Equipe Policial Nacional Integrada estão trabalhando com a Polícia de Edmonton na investigação.

"Sabemos que a força do Canadá vem da nossa diversidade e não seremos intimidados por aqueles que procuram nossa divisão, ou promover o medo", insistiu.

O fato de já terem sido usados carros para cometer atentados no mundo nos últimos meses e de ter sido encontrada uma bandeira do grupo extremista Estado Islâmico (EI) no carro do suspeito levaram a Polícia a abrir a investigação por "ato terrorista".

- Sucessão de incidentes -

Por volta das 20h15 locais de sábado (23h15 em Brasília), um homem a bordo de um Chevrolet Malibu branco bateu contra barreiras da Polícia nos arredores do estádio de Edmonton, onde acontecia uma partida do campeonato canadense de futebol.

O carro atropelou um agente de polícia que estava em frente a sua viatura, "lançando-o a 15 pés (4,5 metros) no ar".

"Um homem de cerca de 30 anos saiu, então, do veículo e começou a esfaquear o agente, o que virou uma luta", relata o comunicado da Polícia.

Imagens de uma câmera de vigilância na estrada, difundidas pela Polícia de Edmonton neste domingo, mostram a violência do impacto e o sangue frio do motorista.

Após a agressão, o suspeito fugiu a pé, e o oficial foi levado ao hospital.

Mais tarde, por volta de meia-noite, a Polícia parou, em uma blitz, uma van U-Haul e percebeu que o motorista se parecia com o do Chevrolet Malibu branco. O suspeito conseguiu fugir e se dirigiu para o centro de Edmonton.

- "Lobo solitário" -

Teve início uma perseguição da qual participaram mais de dez carros de Polícia e, na fuga, o furgão avançou intencionalmente na direção de dois pedestres, segundo uma testemunha.

"O suspeito tentou atropelar dois pedestres nas passagens reservadas e nas calçadas", deixando quatro feridos em quatro locais diferentes, confirmou Rod Knecht, chefe da Polícia de Edmonton em uma coletiva de imprensa.

Na perseguição, o motorista perdeu o controle da van, que tombou. O homem foi imediatamente detido pelos policiais.

"A Polícia de Edmonton deteve e pôs em prisão preventiva um homem (...), responsável destes atos de violência", declarou Knecht.

"Atualmente, acreditamos que é um indivíduo que agiu sozinho, embora a investigação esteja nas primeiras etapas", acrescentou, pedindo aos cidadãos para "estar atentos e vigiar" qualquer movimento suspeito.

Para o prefeito de Edmonton, Don Iverson, os ataques foram realizados por um "lobo solitário". "O terrorismo pretende criar pânico e perturbar a vida das pessoas", declarou em entrevista coletiva.

Estes incidentes lembram ataques similares com veículos em Barcelona, Londres, Nice, Berlim e Estocolmo. Em 2014, em Quebec, um jovem convertido ao Islã atropelou dois soldados em um estacionamento, provocando a morte de um deles. O atacante foi executado a tiros depois de tentar agredir um policial com uma faca.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP