Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Cassini, a sonda da NASA

(afp_tickers)

A sonda Cassini da NASA iniciou nesta quarta-feira manobras para poder mergulhar no espaço entre Saturno e seus misteriosos anéis, em uma viagem pioneira e que pode oferecer uma perspectiva sem precedentes sobre este planeta.

A sonda começou nesta quarta-feira às 09H00 GMT (06H00 de Brasília) sua primeira descida para entrar na atmosfera do planeta gasoso gigante, onde se desintegrará no próximo 15 de setembro, pondo fim, assim, a uma missão científica sem precedentes.

A descida começou na hora prevista e foi anunciada pela Nasa no Twitter: "É isso! No espaço entre #Saturno e seus anéis. Os instrumentos estão ligados, mas estamos fora de contato com a Terra. Lá vamos nós!".

Logo começará a dramática espera de notícias.

As comunicações entre a nave não tripulada e a Terra ficarão cortadas durante a imersão e não serão restabelecidas até um dia depois.

Se Cassini sobreviver à viagem, poderia fazer contato por rádio às 07H05 GMT (04H05 de Brasília) de quinta-feira (27).

"As imagens e outros dados (de Saturno) começarão a chegar pouco depois de que se restabeleça a comunicação", indicou a Nasa.

Cassini é uma missão de 20 anos que se desenvolveu conjuntamente entre a agência espacial americana, a Agência Espacial Europeia (ESA) e a Agência Espacial Italiana.

"Cassini produziu um tesouro de descobertas que nos farão reescrever vários temas das obras de ciência planetária", disse na terça-feira à imprensa Nicolas Altobelli, responsável científico da missão na ESA, em uma conferência da União Europeia de Geociências que é realizada esta semana em Viena.

A sonda de 6,7 metros de comprimento foi lançada em 1997 e começou a orbitar Saturno, o sexto planeta a partir do Sol, em 2004.

Já está ficando sem combustível, e fará uma última exploração suicida na superfície de Saturno em 15 de setembro.

A decisão de acabar com esta missão foi tomada em 2010, para evitar danificar luas como a Encélado, que no futuro podem ser exploradas em busca de sinais de vida.

- Momento perigoso -

Aventurar-se pela primeira vez entre este planeta e seus anéis é "um momento perigoso para a missão", disse Luciano Iess, membro da equipe da Cassini na Universidade de Roma La Sapienza, na reunião da União Europeia de Geociências em Viena.

Quando estiver tangenciando Saturno a uma altitude de cerca de 3.000 quilômetros, a nave espacial estará mais perto do que nunca da faixa de gelo e rochas espaciais que circundam o planeta.

Os fragmentos nessas regiões se movem a uma velocidade de 109.000 quilômetros por hora.

Os anéis que rodeiam Saturno - um gigante de gás que é o segundo maior planeta do nosso Sistema Solar, atrás de Júpiter - têm milhares de quilômetros de largura, mas apenas de nove a 90 metros de profundidade.

As últimas imersões da Cassini buscam oferecer um olhar inédito sobre estes anéis e revelar mais informações sobre sua massa e idade.

"Se os anéis são maciços, isto significa que são velhos. Podem datar da época em que o sistema saturniano se formou", disse Iess.

Mas "se a massa for pouca, então os anéis são jovens e terão se formado em um processo diferente", acrescentou.

Alguns cientistas acreditam que os anéis podem ter se formado a partir da colisão dos asteroides com algumas das luas de Saturno, criando um rastro de escombros.

O sobrevoo também fornecerá mais informações sobre o interior de Saturno.

"Esperamos obter uma medição da massa do núcleo, quantos elementos pesados estão concentrados no interior de Saturno", disse Iess.

O planeta tem mais de 60 luas, e a Cassini fez novas descobertas em algumas delas, que podem ter condições adequadas para abrigar alguma forma de vida.

Recentemente, a Cassini detectou hidrogênio em emanações surgidas de fissuras na espessa camada de gelo de Encélado, o que evidenciaria reações hidrotermais propícias à presença de vida.

"Apesar de não termos detectado vida, encontramos uma fonte de alimentação da vida", disse Hunter Waite, do Instituto de Pesquisa Southwest de San Antonio (Texas).

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP