Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Nasa) A superfície de Mercúrio fotografada pela sonda Messenger, no dia 29 de abril de 2015

(afp_tickers)

Como era esperado, a sonda da Nasa "Messenger" caiu nesta quinta-feira em Mercúrio após ter esgotado seu combustível, terminando uma missão bem sucedida de exploração do menor planeta do sistema solar, que é também o mais próximo do Sol.

A nave se chocou contra a superfície de Mercúrio às 16H00 de Brasília, segundo informações da Nasa em sua conta no Twitter. Sua velocidade ultrapassava os 14.000 km/h.

Lançada em 2004, a Messenger (sigla em inglês para Superfície, Espaço, Ambiente, Geoquímica e Alinhamento de Mercúrio) foi posta em órbita em torno de Mercúrio em março de 2011 depois de três voos rasantes.

Em 21 de abril, o centro de controle do Laboratório de Física Aplicada (APL) da Universidade Johns Hopkins em Laurel, Maryland (leste dos Estados Unidos), executou a primeira de quatro correções orbitais.

A última operação foi feita em 24 de abril, esgotando quase todo seu combustível, o hélio - explicou Daniel O'Shaughnessy, engenheiro de sistemas da missão.

"Pela primeira vez na história temos um conhecimento real sobre o planeta Mercúrio, que nos mostra um mundo fascinante como parte de nosso sistema solar diversificado", disse John Grunsfeld, administrador associado da diretoria de Missões Científicas da Nasa.

Sua missão foi inicialmente apenas para durar um ano, mas como estava operando bem e retornando dados interessantes e descobertas, os cientistas prolongaram sua vida o máximo que podiam.

A principal descoberta da Messenger ocorreu em 2012: uma espessa camada de gelo nas regiões polares do planeta, confortando a hipótese de que Mercúrio contém abundantes quantidades de água sob forma de gelo nas crateras das regiões polares que nunca são iluminadas pelo Sol.

A missão Messenger custou 446 milhões dólares. Os cientistas ainda vão continuar a analisar os dados obtidos a partir da sonda durante os próximos anos.

AFP