Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Imagem divulgada pela Agência Espacial Europeia em 27 de março de 2014 mostra o cometa 67P/Churiumov-Guerasimenko na constelação Ophiuchus.

(afp_tickers)

A temperatura na superfície do cometa 67P/Churiumov-Guerasimenko é de -70°C, considerada "quente demais" para que esteja exclusivamente coberto de gelo, revelou nesta sexta-feira a Agência Espacial Europeia (ESA, na sigla em inglês).

Por esta razão, o cometa provavelmente tem "uma crosta empoeirada e escura", concluiu a ESA.

A sonda espacial europeia Rosetta tem "encontro" marcado na quarta-feira com o cometa, do qual se aproximará a 100 km.

Um de seus onze instrumentos, o Virtis, um espectrômetro de imagem, fez as primeiras medições de temperatura do cometa entre 13 e 21 de julho, quando estava entre 14.000 km e 5.000 km de distância, informou a ESA em um comunicado. Churiumov-Guerasimenko está a 555 milhões de quilômetros do Sol.

A partir dos dados de Virtis, os cientistas puderam determinar que a temperatura média de sua superfície é de -70°C.

Embora seja frio, ainda é quente demais para que um cometa a esta distância fique totalmente coberto de gelo.

Estas primeiras medições confirmaram, segundo a ESA, que boa parte da superfície do corpo celeste está coberta de poeira.

"Isso não exclui que tenha manchas de gelo relativamente limpo", destacou o principal pesquisador que chefia o instrumento Virtis, Fabrizio Capaccioni, do Instituto Italiano de Astrofísica.

Virtis começará em breve a fornecer dados mais detalhados.

Rosetta chegará na próxima quarta-feira a 100 km de distância do cometa Churiumov-Guerasimenko, que acompanhará em seguida seu périplo ao redor do sol.

Em novembro, vai se aproximar a apenas 2 a 3 km de distância, quando lançará Philae, um robô laboratório que "aterrissará" no cometa mediante um sistema de arpão.

Está previsto que a missão Rosetta se prolongue pelo menos até dezembro de 2015, depois que o cometa passe mais perto do sol, em agosto de 2015.

AFP