Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Uma vista geral da antiga sede da Sony, em Tóquio, em 28 de fevereiro de 2014.

(afp_tickers)

A gigante japonesa da eletrônica Sony, especialista na captura de imagens, se prepara para fabricar em série exemplares concebidos para se tornar os "olhos" dos carros de direção autônoma, noticiou nesta sexta-feira o jornal econômico Nikkei.

A produção destes captores otimizados para este uso deve começar na segunda metade de 2015, na fábrica de uma filial da Sony em Kumamoto (sudoeste) e os dispositivos serão instalados nos veículos de grandes fabricantes no ano seguinte.

Segundo o jornal, a Sony desenvolveu captores com sensibilidade dez vezes maior à dos modelos atualmente utilizados como câmeras de veículos. Eles poderão perceber com precisão os obstáculos, tanto de noite como de dia.

Com 6 exemplares por veículo, os captores de imagens serão componentes-chave dos veículos do futuro, "carros inteligentes" capazes de circular de forma autônoma. Embora sempre haja uma pessoa no lugar do motorista, assim como acontece nos aviões, eles poderão passar ao modo "piloto automático" para facilitar a tarefa do motorista.

O desenvolvimento destes veículos inteligentes é uma oportunidade para os japoneses, 'experts' na fabricação de automóveis e eletrônicos, entre outros, dos sistemas de radionavegação e de componentes (captores, microcontroladores, etc).

De acordo com o Nikkei, embora as empresas americanas já estejam presentes, a Sony aponta a uma cota de 50% do mercado mundial neste tipo de captores visuais.

Os investidores da bolsa de Tóquio, sempre muito influenciada pelo que o Nikkei publica, recebeu bem a notícia: a ação da Sony , já sustentada pelas sólidas vendas do console de vídeo games PlayStation 4 (PS4) e pela fragilidade do iene, avançou mais 2,13% até os 1.874 ienes nesta sexta.

Comparado com sua "eterna rival" e compatriota Panasonic, a Sony tem tido dificuldades para se recuperar dos anos de crise financeira (2008/2009) e dos danos provocados pela crescente concorrência asiática.

A Panasonic sobreviveu melhor porque se reorientou rapidamente para setores em crescimento, como os automóveis, aos quais fornece componentes e sistemas eletrônicos.

O mercado vê com bons olhos que a Sony não deixe passar esta oportunidade, uma vez que já domina o mercado de captores para smartphones.

Por outro lado, a Sony anunciou, no fim do mês passado, que gastará outros 35 bilhões de ienes (340 milhões de dólares) para elevar suas capacidades de produção de captores de imagens CMOS, destinados a equipar aparelhos nômades, para consolidar sua posição de liderança.

AFP