Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Reprodução de TV capturada em maio mostra a cápsula Dragon

(afp_tickers)

A empresa americana SpaceX lançou na madrugada desta segunda-feira a cápsula não tripulada Dragon com destino à Estação Espacial Internacional (ISS), com uma carga de 2,2 toneladas.

O lançamento aconteceu às 0H45 (1H45 de Brasília) em Cabo Canaveral (Flórida), de acordo com imagens exibidas ao vivo pela Nasa.

O primeiro estágio do foguete de lançamento Falcon 9, de 70 metros de altura, conseguiu retornar e pousar com sucesso 10 minutos depois da decolagem.

A missão de controle da SpaceX comemorou o momento do pouso da primeira fase do foguete.

A SpaceX, fundada e dirigida pelo magnata Elon Musk, já havia realizado esta delicada manobra de retorno do foguete lançador quatro vezes antes, uma em uma fazenda da Flórida e três em uma plataforma no Oceano Atlântico.

Mas havia fracassado na última tentativa, em junho, de pousar o primeiro estágio do Falcon 9 em uma plataforma no mar.

A empresa californiana tenta recuperar esta parte do foguete para reutilizá-lo e otimizar os custos de lançamento.

Até agora, os primeiros estágio dos foguetes, muito caros de construir, eram destruídos ao entrar em grande velocidade na atmosfera.

Em abril, Elon Musk informou que o custo de produção do lançador era de 60 milhões de dólares e que o combustível do foguete custava 300.000 dólares.

Carga científica

A carga de cerca de 2,2 toneladas inclui, além dos mantimentos para os tripulantes da ISS, um adaptador, um tipo de anel, para facilitar o acoplamento das naves comerciais da SpaceX e Boeing (que transportarão astronautas a partir de 2017) com a estação.

Um primeiro adaptador se perdeu em uma explosão ocorrida em junho de 2015, dois minutos após a decolagem do foguete Falcon 9, que transportava uma cápsula Dragon.

A Dragon, que deverá chegar à estação orbital na próxima quarta-feira, levará 93 kg de amostras para a realização de experiências científicas com o objetivo de compreender os efeitos da ausência de gravidade no funcionamento de células cardíacas, musculares e ósseas, explicou Julie Robinson, responsável pelos programas científicos da ISS.

A cápsula também levará um sequenciador de DNA, que os astronautas da ISS usarão para identificar micróbios, diagnosticar doenças e avaliar o estado de saúde de seis tripulantes. Segundo a Nasa, também servirá para detectar DNA de outros pontos do sistema solar.

A Dragon, única cápsula capaz de retornar à Terra após um voo espacial, partirá da ISS em 29 de agosto, com 580 kg de amostras de experiências científicas realizadas em ambiente de microgravidade, e lixo e outros materiais usados.

Esta é a nona missão de abastecimento da ISS realizada pela SpaceX por conta da Nasa, das 20 previstas no contrato de 1,6 bilhão de dólares com a agência espacial americana.

Também será o segundo voo da Dragon até a ISS desde o acidente de junho de 2015.

Uma cápsula de abastecimento não tripulada russa deverá acoplar com a ISS nesta segunda-feira.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP