Navigation

Spotify anuncia que não terá propaganda política no começo de 2020

Logotipo da plataforma de streaming de música Spotify afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 27. dezembro 2019 - 20:06
(AFP)

A gigante da música online Spotify anunciou que vai proibir, a partir do começo de 2020, a propaganda política, na mais recente medida adotada por uma empresa digital no combate à desinformação, com vistas às eleições presidenciais dos Estados Unidos.

A decisão da empresa, com sede na Suécia, mas com grande quantidade de usuários e operações nos Estados Unidos, se soma às já tomadas pelo Twitter, que vetou a maioria dos anúncios políticos, e da Google, que limitará como se seleciona para quem essa publicidade é oferecida.

O Spotify, que conta com cerca de 130 milhões de usuários, justificou a medida por sua falta de capacidade de identificar notícias falsas.

"Ainda não temos o nível de solidez necessário em nossos processos, sistemas e ferramentas para revisar a validar com responsabilidade este conteúdo. Reconsideramos esta decisão enquanto continuamos a desenvolver nossas capacidades", afirmou um porta-voz.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.