Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O presidente brasileiro Michel Temer, em congresso, no dia 4 de setembro de 2017

(afp_tickers)

O Supremo Tribunal Federal (STF) rejeitou nesta quarta-feira um pedido do presidente Michel Temer para impugnar o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, a quem o mandatário acusa de ter uma "obsessiva conduta persecutória" contra ele.

Os ministros do Supremo negaram o pedido contra Janot, que se tornou inimigo de Temer após denunciar o presidente por supostamente ter recebido propina dos donos da gigante brasileira da carne JBS.

Essa foi a primeira vez na história que um presidente brasileiro foi acusado de crime comum.

Segundo a ministra Cármen Lúcia, presidente da Alta Corte, não haveria demonstração de qualquer dúvida sobre a condução do caso que envolve Temer, o que levou o STF a negar o recurso por unanimidade.

A magistrada garantiu que o Ministério Público continuará a combater a corrupção, mesmo após a saída de Janot da PGR.

"A chamada Operação Lava Jato e todos os processos que se referem à matéria penal não vão parar, porque muda um ou outro, por uma ou outra causa, extinção de mandato ou suspeição, ou impedimento. O processo penal e a busca de apuração de erros praticados no espaço público, como se tem no espaço privado, não vai parar", afirmou a ministra.

O Supremo começou a discutir durante a tarde outro pedido de Temer para bloquear possíveis novas denúncias de Janot contra ele baseadas em provas dadas pelos diretores da JBS, até que se determine a validade destas provas.

Mas a presidente do tribunal deixou essa definição para a próxima semana, quando Janot já terá sido substituído por Raquel Dodge na PGR.

A disputa entre poderes e do Judiciário se intensificou na última semana de Janot à frente da Procuradoria.

Governo e oposição esperam que, antes de passar o cargo, Janot formule uma segunda denúncia contra Temer por obstrução da Justiça ou formação de organização criminosa.

O procurador denunciou Temer em junho por corrupção passiva, depois da revelação da gravação de uma conversa com Joesley Batista, um dos donos da JBS, nas quais o presidente parecia aprovar o pagamento de propina ao deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), hoje preso em Curitiba, em troca de seu silêncio.

Mas a Câmara dos Deputados votou em agosto contra o encaminhamento desta denúncia ao STF.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP