Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O subsecretário de Estado americano Tom Malinowski se reune com representantes do principal partido de oposição xiita dp Bahrein, em 7 de julho de 2014

(afp_tickers)

O governo do Bahrein declarou o subsecretário de Estado americano Tom Malinowski "persona non grata", nesta segunda-feira, solicitando que deixe o país "imediatamente".

Em uma nota, a Chancelaria desse pequeno reino sunita do Golfo Pérsico denunciou a "ingerência" do representante americano "nos assuntos internos" do Bahrein.

Publicado pela agência BNA, o comunicado acusa o diplomata americano de ter se reunido com "um partido em particular em detrimento de outros interlocutores" - uma referência à oposição xiita.

Segundo fontes no Bahrein, Malinowski se reuniu com representantes do principal partido de oposição xiita, Al-Wefaq.

A porta-voz do Departamento de Estado, Jen Psaki, afirmou que Malinowski "está no Bahrein" e "permanece no Bahrein".

O subsecretário de Estado, encarregado da Democracia, Direitos Humanos e do Trabalho, está de visita para "reforçar as relações bilaterais e apoiar os esforços de reformas do rei e os esforços de reconciliação em um momento importante, em especial, a respeito dos acontecimentos na região".

O ministro barenita das Relações Exteriores garantiu que os laços entre essa monarquia do Golfo e os Estados Unidos não serão afetadas por essa crise.

Situado no Golfo de frente para o Irã, o Bahrein abriga o quartel-general de um destacamento da frota americana.

Desde fevereiro de 2011, esse reino dirigido por uma dinastia sunita enfrenta um movimento de protestos da maioria xiita, que reivindica uma monarquia constitucional.

AFP