Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) Logo da IBM, em Armonk, Nova York, no dia 20 de março de 2015

(afp_tickers)

A gigante da informática norte-americana IBM anunciou nesta terça-feira uma parceria com 14 clínicas e centros de saúde especializados no tratamento de câncer, que começarão a utilizar o supercomputador Watson para acelerar a análise de DNA e determinar tratamentos personalizados para os pacientes.

Quando a medicina genômica é usada para tratar o câncer, "tomamos um pedaço do tumor e o sequenciamos" geneticamente, explicou Norman Sharpless, diretor do centro de câncer Lineberger Comprehensive da Universidade da Carolina do Norte, que participa no programa.

O problema, então, está em "extrair um significado a partir destes dados" para determinar mudanças importantes e é aí "onde Watson nos ajuda", acrescentou.

Enquanto os médicos passariam semanas estudando cada mutação e a literatura científica existente, o computador Watson é capaz de obter resultados em "alguns minutos", segundo a IBM, destacando que poderia permitir que um maior número de pacientes tenha acesso ao tratamento adequado.

A IBM introduziu o Watson na medicina genômica há pouco mais de um ano com um programa lançado inicialmente no Genome Center de Nova York (NYGC) por uma forma particular de câncer no cérebro.

O número de centros participantes agora é muito maior, e outros mais devem se juntar ao projeto ainda este ano. As instituições estão planejando usar o Watson para todos os tipos de câncer: linfoma, melanoma, pâncreas, ovário, cérebro, pulmão, mama e câncer colorretal.

O anúncio foi feito no âmbito da conferência "World of Watson", organizada pela IBM nesta terça e quarta-feira em Nova York para destacar as habilidades de seu supercomputador e as oportunidades.

AFP