Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Foto tirada em 20 de março de 2017 mostra policial israelense jogando água em judeus ultraortodoxos durante protesto

(afp_tickers)

A Suprema Corte israelense invalidou nesta terça-feira as isenções em vigor para os estudantes seminaristas judeus, causando a fúria da pequena - mas poderosa - comunidade ultraortodoxa.

Documentos do tribunal consultados pela AFP mostram que um painel de nove juízes concorda que a emenda de 2015 à lei de serviço militar trata os estudantes ultraortodoxos de maneira mais generosa do que os seus compatriotas seculares.

"Todos os juízes consideraram que a nova emenda viola a igualdade", indica a decisão do tribunal, acrescentando que oito dos nove juízes vão ainda mais longe ao pedir que o texto seja retirado dos códigos.

A maior parte dos judeus de Israel é obrigada a entrar para o Exército, pela lei aos 18 anos, e os homens cumprem o serviço militar por dois anos e oitos meses, enquanto as mulheres por dois anos.

Muitos deles continuam sendo chamados ao serviço periodicamente até os 40 anos, quando passam a fazer parte da reserva militar.

"A maioria dos juízes emitiu um parecer de que a anulação da emenda deva ser aplicada somente um ano após a data da decisão para facilitar que a revisão da emenda possa ser aplicada", indica o resumo oficial do julgamento.

Este período dá tempo aos militares e políticos para encontrar uma fórmula alternativa que seja aceitável para a Suprema Corte e para os partidos políticos ultraortodoxos, cujo apoio é vital para conseguir uma maioria parlamentar no governo.

Os líderes ultraortodoxos estão furiosos com a decisão anunciada nesta terça, mas não ameaçaram a estabilidade da coalizão de direita do primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu.

"É uma sentença miserável", afirmou o advogado Menachem Eliezer Moses, do partido Unidade Torá Judaísmo, à emissora estatal Channel One TV.

"Não vamos desmontar o governo. Faltam dois anos para as eleições. A lei tem que ser mudada", acrescentou.

O ministro do Interior, Aryeh Deri, do partido ultraortodoxo Shas, indicou pelo Twitter que "a Suprema está totalmente separada de nossa herança e tradição" judaicas.

Os ultraortodoxos representam 10% da população israelense.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP