AFP

(20 mai) Temer discursa no Palácio do Planalto

(afp_tickers)

O Supremo Tribunal Federal informou nesta segunda-feira que decidirá sobre o julgamento por corrupção contra o presidente Michel Temer apenas ao final das perícias sobre o material de áudio e vídeo que deram origem às denúncias.

O ministro do Supremo Edson Fachin, encarregado do caso, decidiu encaminhar ao plenário do Tribunal o pedido para a suspensão da investigação contra Temer e, a princípio, a discussão ocorreria na próxima quarta-feira.

Mas a presidente do Supremo, Carmen Lúcia, decidiu analisar a questão apenas após a Polícia Federal concluir a análise do material entregue pelo empresário Joesley Batista, presidente da JBS, como parte de seu acordo de delação premiada.

Segundo especialistas, a gravação feita por Joesley Batista com o presidente Temer apresenta vários vícios.

A análise do pedido a favor de Temer, contra quem a Procuradoria Geral da República pediu uma investigação por obstrução da justiça, corrupção passiva e organização criminosa, é crucial para a permanência do governo.

Na conversa gravada por Joesley Batista, o presidente daria seu aval ao pagamento de subornos ao ex-deputado Eduardo Cunha, preso em Curitiba, para comprar seu silêncio.

Temer negou categoricamente esta versão e afirmou no sábado que a gravação, apesar de não conter qualquer elemento contra ele, foi "manipulada".

O presidente pediu ao STF que suspenda a investigação até que se verifique a autenticidade da gravação.

AFP

 AFP