Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

A lei indiana só permite o aborto com mais de 20 semanas de gravidez quando a vida da mãe ou do feto estão em perigo, mas, nos últimos tempos, os tribunais tiveram que se pronunciar sobre vários casos de adolescentes estupradas

(afp_tickers)

O Supremo Tribunal indiano decidiu nesta quarta-feira autorizar o aborto para uma menina de 13 anos que engravidou depois de ter sido estuprada, apesar de a mesma já estar no oitavo mês de gestação.

A lei indiana só permite o aborto com mais de 20 semanas de gravidez quando a vida da mãe ou do feto estão em perigo, mas, nos últimos tempos, os tribunais tiveram que se pronunciar sobre vários casos de adolescentes estupradas.

A menina de 13 anos foi estuprada por um colega de seu pai. Quando finalmente foi levada a um médico, estava com 27 semanas de gravidez, sete semanas a mais que o prazo legal para abortar. As jovens estupradas costumam demorar muito para revelar sua gravidez.

Há pouco tempo, o Supremo negou o pedido de aborto tardio de uma menina de 10 anos também estuprada, levando em contra opiniões médicas segundo as quais a operação poderia ser fatal para a criança.

A Índia registra um número impressionante de agressões sexuais contra menores, com 20.000 casos registrados pela polícia em 2015.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP