AFP

A indonésia Siti Aisyah é escoltada pela polícia na chegada ao tribunal

(afp_tickers)

As duas mulheres suspeitas do assassinato do meio-irmão do líder norte-coreano Kim Jong-Un no aeroporto de Kuala Lumpur, em fevereiro, compareceram nesta terça-feira a um tribunal da Malásia.

A indonésia Siti Aisyah, 25 anos, e a vietnamita Thi Huong, 28 anos, vestidas com coletes à prova de balas, chegaram ao tribunal escoltadas pela polícia.

As duas foram acusadas de jogar um agente neurotóxico, o VX, uma versão do gás sarin, no rosto de Kim Jon-Nam, o que provocou a morte do meio-irmão de Kim Jong-Un.

As acusadas podem ser condenadas à pena de morte.

Durante a audiência, os advogados das duas mulheres afirmaram que não tiveram acesso ao conjunto do processo.

"O conceito de um julgamento justo exige que todos os documentos materiais sejam entregues à defensa o mais rápido possível", declarou Gooi Soon Seng, principal advogado de Siti Aisyah.

O procurador-geral adjunto Muhammad Iskandar Ahmad declarou que a defesa receberá todos os documentos do processo antes do julgamento.

As duas mulheres negam as acusações de assassinato e alegam que foram enganadas, pois acreditavam que participavam em um programa de televisão do estilo "pegadinha".

O juiz do tribunal anunciou que a Alta Corte de Justiça da Malásia deve estabelecer a data do início do julgamento.

Kim Jong-Nam, crítico do meio-irmão Kim Jong-Un, que governa a Coreia do Norte, vivia no exílio no momento de sua morte.

O governo da Coreia do Sul acusou a Coreia do Norte pelo assassinato de Kim Jong-Nam.

Pyongyang rebateu e afirmou que a investigação da Malásia era uma campanha de difamação, pois segundo o regime norte-coreano Kim Jong-Nam foi vítima de um ataque cardíaco.

Malásia e Coreia do Norte expulsaram os respectivos embaixadores.

AFP

 AFP