Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Um total de 259 candidatos estão concorrendo a assentos na câmara que administra uma cidade de quase 14 milhões de habitantes.

(afp_tickers)

Tóquio vai às urnas no domingo em uma eleição local que poderia ter consequências nacionais, já que a governadora da capital representa um desafio para o partido do primeiro-ministro, Shinzo Abe, cuja popularidade caiu no último mês.

A ex-apresentadora de TV Yuriko Koike, de 64 anos, espera que sua coalizão vença o braço local do Partido Liberal Democrata (LDP), de Abe, que detém a maioria na assembleia de Tóquio, de 127 deputados.

Koike, que foi eleita governadora no ano passado, saiu do LDP este mês para formar seu próprio partido, Tomin First no Kai (Residentes de Tóquio Primeiro), e espera conquistar a maioria na câmara após estabelecer uma aliança com os representantes locais do Partido Komeito.

Pesquisas sugerem que o LDP poderia perder sua posição de liderança para a coalizão de Koike.

Com uma aprovação de 60%, Koike tem defendido um controle do excesso de gastos com o estádio e as instalações esportivas de Tóquio 2020.

Ex-ministra da Defesa e do Meio Ambiente, ela também é responsável por supervisionar uma realocação controversa do mundialmente famoso mercado de peixe Tsukiji.

Um total de 259 candidatos estão concorrendo a assentos na câmara que administra uma cidade de quase 14 milhões de habitantes.

Os locais de votação abriram às 07h00 da manhã de domingo (19h00 de sábado em Brasília) e deverão fechar às 20h00.

Embora a votação seja local, é um indicador importante do sentimento político nacional e chega em um momento em que Abe, que foi eleito primeiro-ministro no final de 2012, enfrenta uma queda de popularidade.

Uma pesquisa recente da emissora pública NHK mostrou que o governo de Abe tem 48% de apoio, três pontos percentuais abaixo da taxa registrada no mês anterior.

Sua taxa de reprovação aumentou seis pontos percentuais, chegando a 36%, mostrou a pesquisa.

AFP