Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

A nova música de Taylor Swift encabeçou a lista americana nesta terça-feira com as maiores vendas semanais, acabando com o histórico reinado da sensação mundial "Despacito"

(afp_tickers)

A nova música de Taylor Swift encabeçou a lista americana nesta terça-feira das maiores vendas semanais, acabando com o histórico reinado da sensação mundial "Despacito".

"Look What You Made Me Do", primeira faixa do próximo álbum de Swift, "Reputation", empurrou "Despacito" para a segunda posição da Billboard Hot 100 da semana, que vai até quinta-feira.

A canção da estrela do pop quebrou o recorde de streaming de um dia no Spotify, plataforma para onde Taylor voltou recentemente após um boicote.

A empresa de acompanhamento Nielsen Music declarou que "Look What You Made Me Do" teve o segundo maior número de reproduções em streaming em todas as plataformas, atrás somente da música viral de 2013 "Harlem Shake".

"Look What You Made Me Do" também registrou a maior quantidades de downloads do ano, 353.000, o máximo desde que a música de Justin Timberlake "Can't Stop The Feeling" bateu o recorde em maio de 2016.

Taylor acabou com o período de 16 semanas no topo das paradas de "Despacito", o reggaeton da estrela pop porto-riquenha Luis Fonsi com o rapper Daddy Yankee, cujo remix foi feito por Justin Bieber.

"Despacito" empatou com "One Sweet Day", balada de 1995 de Mariah Carey e Boyz II Men, durante a maior parte das semanas no número um. A façanha é mais surpreendente porque poucas músicas não inglesas dominaram o ranking dos Estados Unidos.

No videoclipe que acompanha "Look What You Made Me Do", que Taylor estreou há uma semana durante a entrega dos prêmios MTV Video Music Awards, a cantora apresenta o seu lado mais obscuro.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP