Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) Tariq Ramadan

(afp_tickers)

Uma denúncia foi apresentada nesta sexta-feira na França contra o teólogo suíço especializado em estudos islâmicos Tariq Ramadan, por estupro e agressões sexuais, informaram os advogados de Henda Ayari, ex-salafista que se tornou militante feminista e laica.

Esta denúncia foi apresentada ante a justiça de Rouen (noroeste), onde Ayari mora, por "fatos criminais de estupro, agressões sexuais, violências voluntárias, assédio, intimidação", segundo o documento consultado pela AFP.

Henda Ayari, de 40 anos, presidente da associação Libertadoras, indicou na sexta-feira na sua página do Facebook que foi "vítima de uma coisa muito grave há anos", mas que não tinha ousado revelar o nome do agressor por "ameaças de sua parte".

Em seu livro "Escolhi ser livre", publicado em novembro de 2016 pela editora francesa Flammarion, se refere a este homem com o nome de Zoubeyr e narra um encontro em seu quarto do hotel em Paris onde este intelectual muçulmano tinha acabado de dar uma palestra.

"Por pudor, não darei aqui detalhes sobre o que ele me fez. Basta saber que ele se aproveitou amplamente da minha fragilidade", escreveu Henda Ayari, que assegura que quando se "rebelou", e lhe "gritou que parasse", ele a "insultou", a "esbofetou" e "estuprou".

"Confirmo que o famoso Zoubeyr é Tariq Ramadan", escreveu Henda Ayari no Facebook.

Segundo Jonas Haddad, um de seus conselheiros, "Henda Ayari não tinha vontade de falar sobre este assunto por medo".

A AFP tentou contatar Tariq Ramadan mas não obteve resposta. Ele também não tinha reagido nas redes sociais até a tarde desta sexta.

Ramadan, de 55 anos, é neto do fundador da organização islâmica egípcia Irmandade Muçulmana e é professor de estudos islâmicos contemporâneos na Universidade de Oxford, no Reino Unido.

Popular nos setores muçulmanos, ele é também muito criticado, especialmente nos meios laicos, que o veem como impulsor do islã político.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP