Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Pessoas se reúnem em rua da capital mexicana durante o alerta de terremoto

(afp_tickers)

O terremoto de 8,2 de magnitude que sacudiu nesta quinta-feira (7) à noite a costa do Pacífico mexicano disparou rapidamente um alarme sonoro em toda a Cidade do México.

Alertados por 8.200 megafones instalados na capital federal, seus 20 milhões de habitantes saíram de suas casas, inclusive de pijama.

Há duas décadas, a associação CIRES fornece à cidade um sistema de sensores distribuídos ao longo da costa do Pacífico, onde o risco de terremotos é maior.

As ondas sísmicas podem percorrer em minuto as centenas de quilômetros que separam o litoral da capital. Podem causar danos significativos, uma vez que a grande cidade é construída sobre um antigo lago.

- Ondas de rádio -

Uma vez detectado o abalo sísmico, o sistema lança uma onda que desencadeia os alarmes em escolas, ministérios e outros escritórios, interrompendo automaticamente as transmissões de rádio.

Os mexicanos têm, então, um minuto para reagir e deixar os prédios antes que os mesmos comecem a tremer.

Essa tecnologia não estava disponível durante o terremoto de 19 de setembro de 1985, de 8,1 graus na escala Richter. Esse sismo devastou a capital, matando mais de 1.000 pessoas.

Instalados em um antigo prédio de três andares, os servidores dessa associação detectam todas as vibrações no solo, deflagrando automaticamente os alarmes.

Desde o lançamento do sistema em 1993, o CIRES soou mais de 60 alertas de terremoto com uma intensidade de pelo menos 6 na escala Richter.

- Alerta por telefone -

A tecnologia dos smartphones também se disseminou no México nos últimos anos, permitindo que seus habitantes recebam alertas por meio de aplicativos como SkyAlert, ou Alerta Sísmica DF.

Dois segundos após o início de um terremoto, o SkyAlert envia um sinal para os telefones celulares, que soam a mensagem "alerta sísmico", e indica a intensidade do terremoto.

Lançado em 2013, o aplicativo era inicialmente conectado ao sistema CIRES, mas seu jovem fundador, Alejandro Cantu, implantou na costa mexicana seus próprios sensores, trazidos do Japão.

O aplicativo se popularizou rapidamente, e a versão gratuita tinha mais de três milhões de usuários em 2015.

Uma versão paga foi lançada posteriormente, o que permite personalizar os alertas.

Para avisar seus usuários, o aplicativo usa uma rede de banda larga em vez de linhas telefônicas - garantia de confiabilidade de acordo com seu fundador.

Nesta quinta-feira, porém, durante o maior tremor registrado no México em um século, o aplicativo SkyAlert permaneceu desesperadamente mudo.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP