Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) Foto tirada em 22 de fevereiro de 2016 mostra propagandas nas telas gigantes da Piccadilly Circus, em Londres

(afp_tickers)

As telas gigantes que tornaram a praça Piccadilly Circus, em Londres, famosa no mundo todo foram desligadas nesta segunda-feira para serem renovadas e não voltarão a iluminar o local até o outono boreal, o período mais longo desde 1949.

As seis telas gigantes, instaladas no cruzamento de Regent Street e Piccadilly e que emitem publicidade há mais de um século, foram desligadas às 08h30 locais.

Serão substituídas temporariamente por um cartaz publicitário durante os trabalhos de instalação de uma tela gigante única pela LandSecurities, proprietária deste espaço, segundo o site www.piccadillylights.co.uk.

A tela digital, que segundo a LandSecurities será a maior da Europa e que poderá ser dividida em seis, difundirá publicidade e informações, esportes e previsões meteorológicas para as 100 milhões de pessoas que passam por ela a cada ano.

A última vez que as telas luminosas se apagaram por um período longo foi em 1939, quando as cidades britânicas ficaram no escuro durante a Segunda Guerra Mundial, e voltaram a ser ligadas em 1949.

Desde então, as luzes se apagaram por breves períodos, durante o funeral do ex-primeiro-ministro Winston Churchill, em 1965, e o da princesa Diana, em 1997, assim como no âmbito de campanhas pela proteção do meio ambiente ou devido a cortes de eletricidade.

A marca francesa de água Perrier foi a primeira a aparecer em Piccadilly Circus, em 1908, enquanto que a Coca-Cola está presente desde 1954. A empresa japonesa de eletrônica TDK ocupa a tela central curva há mais de 20 anos, segundo o site.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP