Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Ilustração do telescópio espacial europeu Gaia, divulgada pela Agência Espacial Europeia em 08 de agosto de 2013.

(afp_tickers)

O telescópio espacial europeu Gaia está pronto para iniciar sua missão científica, o mapeamento tridimensional da Via Láctea, apesar de algumas surpresas negativas.

"Gaia agora está pronto para começar sua fase científica de cinco anos, mas seu ativamento também revelou algumas anomalias inesperadas", anunciou nesta terça-feira a Agência Espacial Europeia (ESA) em um comunicado.

Apesar dos contratempos, a ESA deverá estar em condições de publicar, em 2016, o primeiro "catálogo do céu".

Lançado a bordo de um foguete Soyuz, do centro espacial Kourou, na Guiana Francesa, em 19 de dezembro, Gaia está posicionado em um posto de observação privilegiado, a 1,5 milhão de quilômetros da Terra.

Será capaz de localizar um bilhão de estrelas da nossa galáxia, determinando sua posição e movimento, mas também a distância que as separa da Terra, o parâmetro mais difícil de obter. Em 99% dos casos, esta distância nunca tinha sido medida com precisão.

"A ativação foi difícil", admitiu Timo Prusti, encarregado científico do projeto para a ESA. Mas, "em seu conjunto, Gaia está em boas condições para cumprir o que promete", acrescentou.

"Todas as metas básicas ainda são realizáveis", assegurou Timo Prusti, citado no comunicado.

Um dos problemas encontrados foi a formação de gelo nas lentes, certamente a partir da água que se formou em alguma parte da nave espacial antes do lançamento. As lentes foram aquecidas para tirar o gelo, mas a operação certamente deverá voltar a se repetir durante a missão.

Outro problema ocorreu ao nível da "luz parasita" que Gaia encontrou e que foi mais elevado que o previsto.

"Otimizamos o software de bordo para atenuar tanto quanto possível o impacto causado por este ruído de fundo luminoso", explicou Giuseppe Sarri, diretor do projeto Gaia na ESA.

"De qualquer forma, seremos capazes de analisar um bilhão de estrelas ou mais, com precisão até cem vezes maior que a do antecessor de Gaia, Hipparcos", assegurou.

AFP