Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) O rádio-telescópio Atacama Large Millimeter Array (ALMA) no deserto do Atacama, no Chile, no dia 12 de março de 2013

(afp_tickers)

O potente rádio-telescópio Atacama Large Millimeter Array (ALMA), no norte do Chile, captou imagens de um cinturão de cometas em torno de uma estrela localizada a 129 anos-luz da Terra, que revelariam a existência de planetas escondidos ou deslocados desse sistema distante.

Segundo comunicado divulgado pelo observatório nesta terça-feira, em Santiago, o ALMA conseguiu registrar pela primeira vez em alta resolução um cinturão de cometas em volta da estrela HR 8799, o que mostra que os planetas tiveram órbitas diferentes no passado ou que há ao menos um planeta a mais no sistema que ainda não foi detectado por ser pequeno demais.

"A forma deste disco de poeira, e principalmente sua borda interna, curiosamente não coincide com as órbitas dos planetas, com o qual ou estes mudaram de posição com o tempo, ou ainda resta mais de um planeta por descobrir no sistema", afirma o texto.

Através do rádio-telescópio, foi possível perceber as emissões de poeira, o que permite supor que os planetas do sistema distante - formado em volta da HR 8799, uma estrela que tem aproximadamente 1,5 vezes a massa do Sol - são maiores que Júpiter.

"Esta é a primeira vez que se obtém a imagem de um sistema multiplanetário com poeira que orbita ao seu redor, o qual nos permite compará-lo com a formação e as dinâmicas do nosso próprio Sistema Solar", afirmou Antonio Hales, coautor de um estudo publicado em maio na revista Monthly Notices of the Royal Astronomical Society.

O ALMA é formado por 66 antenas localizadas nos observatórios do Llano Chajnantor, a mais de 5.000 metros de altura.

A entidade é uma associação entre o Observatório Europeu Austral (ESO), a Fundação Nacional de Ciência dos Estados Unidos e os Institutos de Ciências Naturais do Japão e do Chile.

AFP