Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O presidente Michel Temer durante discurso na quinta-feira em Brasília

(afp_tickers)

O presidente Michel Temer aparece junto a seus antecessores, Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff, em uma lista de supostos beneficiários de subornos pagos pelo conglomerado J&F, dos irmãos Batista.

A lista foi entregue à Procuradoria-Geral pelo presidente do grupo e dono da maior empresa de proteína animal do mundo (JBS), Joesley Batista, em um acordo de delação premiada.

Joesley gravou secretamente uma conversa comprometedora com Temer, que poderia custar-lhe a Presidência, enquanto outros diretores do grupo fizeram acusações com potencial tanto ou mais destrutivo que as realizadas por 77 ex-executivos da Odebrecht, implicada no escândalo Petrobras.

A JBS é considerada uma das maiores doadoras de dinheiro nas campanhas eleitorais dos últimos anos no Brasil.

Além de Joesley, também falaram à Justiça seu irmão e sócio, Wesley Batista e Ricardo Saud, diretor de Relações Institucionais da J&F.

Seguem algumas acusações em destaque:

- Temer

Saud assegura que a empresa beneficiou Temer na campanha de 2014 (na qual revalidou o posto de vice-presidente de Dilma) com recursos ilegais no valor de 15 milhões de reais em retribuição a uma "atuação favorável" aos interesses da J&F.

Já presidente, Temer teria pedido - juntamente com o deputado de seu partido, o PMDB, Rodrigo da Rocha Loures - 5% dos lucros obtidos para acabar com o monopólio da Petrobras no fornecimento de gás, uma medida que teria beneficiado a Empresa Produtora de Energia em Cuiabá, sob controle da J&F.

Até as 19h00 desta sexta-feira, nem Temer nem o Palácio do Planalto tinham feito qualquer comentário a respeito, embora na quinta-feira o presidente tenha refutado todas as acusações de Batista e dito que suas ações sempre foram corretas.

- Lula e Dilma

Batista e Saud asseguram que a J&F pagou propina de cerca de 50 milhões de dólares em uma conta no exterior destinados a Lula, e cerca de US$ 30 milhões em outra conta, também no exterior, em benefício de Dilma, com a intermediação do ex-ministro da Fazenda Guido Mantega, investigado na 'Lava Jato'.

Segundo os empresários, o saldo destas duas contas chegava a cerca de 150 milhões de dólares em 2014.

O escritório dos advogados de Lula, Teixeira&Martins, rejeitou estas acusações e assegurou que ele é inocente, pois não foi encontrado "nenhum valor ilícito" quando os promotores da 'Lava Jato' quebraram seu sigilo bancário e fiscal.

Dilma também considerou estas acusações "improcedentes e inverossímeis" e reforçou em mensagem em sua página na internet que não tem contas no exterior e que "nunca" solicitou doações ou pagamentos ilegais para suas campanhas eleitorais, em 2010 e 2014.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP