Navigation

Temer e Abdo acertam construção de pontes entre Brasil e Paraguai

O presidente paraguaio Mário Abdo Benitez (E) e seu homólogo brasileiro Michel Temer em Itaipu, Paraguai, em 21 de dezembro de 2018 afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 21. dezembro 2018 - 21:16
(AFP)

Os presidentes de Brasil e Paraguai, Michel Temer e Mario Abdo, acertaram nesta sexta-feira a construção de duas novas pontes entre os dois países, sobre os rios Paraná e Paraguai, financiadas pela represa binacional Itaipu.

Os dois chefes de Estado firmaram um documento para a viabilização dos projetos, avaliados em 270 milhões de dólares, no prédio de Produção de Itaipu, a mais potente hidrelétrica do mundo, situada sobre o rio Paraná, a 350 km de Assunção.

Uma das pontes ligará Foz do Iguaçu à paraguaia Presidente Franco, com o objetivo de aliviar o trânsito na Ponte da Amizade, construída em 1965.

A segunda ponte unirá Porto Murtinho, no Mato Grosso do Sul, a Carmelo Peralta, passando sobre o rio Paraguai, 400 km ao norte de Assunção, e deve promover o desenvolvimento da árida e despovoada região do Chaco paraguaio.

A união física propiciará uma importante conexão entre o Centro Oeste do Brasil ao Norte do Paraguai e aos portos chilenos de Antofagasta, Iquique e Arica, via Argentina (Jujuy-Paso Jama, nos Andes).

Os dois presidentes destacaram o valor das obras, que consideram necessárias para dinamizar a economia e o desenvolvimento dos dois países.

Abdo destacou que "se não fosse pela vontade política do presidente Temer, não estaríamos firmando hoje este compromisso".

O presidente paraguaio declarou que a pouco dias do final do seu mandato, Temer "entrará para a história do Paraguai" por sua contribuição à integração física entre as duas Nações.

Temer avaliou que a construção das duas pontes "terá um enorme impacto no comércio exterior, e não apenas entre Brasil e Paraguai", já que "através do corredor 'bioceânico' vamos poder ter acesso aos demais países da América do Sul".

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.